• 21 de abril de 2021

Três suspeitos do massacre em jornal francês são mortos pela polícia

09/01/2015- Três suspeitos de participar do massacre que matou jornalistas, desenhistas e funcionários do jornal satírico francês Charlie Hebdo na última quarta-feira (7/1), foram mortos pela polícia da França nesta sexta-feira. Após perseguição e cerco policial, os irmãos Said e Cherif Kouachi morreram em Dammartin-en-Goële, a noroeste de Paris. Um terceiro suspeito foi morto em um supermercado em Paris.

Os irmãos haviam se refugiado em uma gráfica no local e fizeram um refém, antes da troca de tiros com a polícia, que resultou na morte deles, conforme noticiou a Agência Brasil.

O terceiro homem morto manteve cinco reféns em um supermercado de alimentos kosher (consumidos por judeus). Segundo a Folha de S.Paulo, antes de tomar os reféns, ele disse a policiais: “Já sabem quem sou”, em aparente alusão ao ataque ao Charlie Hebdo.

Homem mata policial em ataque ao jornal francês Charlie Hebdo.
O mundo reagiu com horror e indignação ao ataque terrorista que matou 12 pessoas que trabalhavam na revista humorística francesa Charlie Hebdo, na tarde desta quarta-feira (7/1), em Paris.

Entre os mortos estão o diretor da revista, Stephane Charbonnier e outros três cartunistas, além dos dois policiais escalados para fazer a segurança da publicação. Acredita-se que três pessoas invadiram a redação da revista, no momento da reunião de pauta, atirando com metralhadoras AK-47. Um quarto terrorista teria ficado no carro que conduziu o grupo e deu-lhe fuga. Segundo testemunhas, os assassinos teriam dito que estavam vingando o profeta.

Além do terror provocado pela ação em si mesma, o atentado significa um dos mais cruéis ataques à liberdade de expressão nos últimos tempos. Como cabe a uma publicação de humor, Charlie Hebdo tratava com irreverência todos os temas que abordava, e de suas cáusticas sátiras não escaparam a intolerância e a violência de facções radicais islâmicas.

Desde 2006, quando publicou charges do profeta Maomé, originalmente produzidas pelo jornal dinamarquês Jyllands-Posten, o Charlie Hebdo vinha sendo alvo de ameaças de radicais islâmicos. Em sua última mensagem no Twitter, na manhã desta quarta-feira, a revista mostrava uma charge com a imagem de Al-Baghadi-Akr, o líder da facção radical Estado Islâmico desejando “os melhores votos, de fato” e acrescentando: “E sobretudo, saúde”.

A revista já havia sido vítima de um atentado a bomba em 2011, logo depois da edição que continha uma piada sobre a Sharia, a lei islâmica. “Vivíamos há oito anos sob ameaças, tínhamos proteção, mas não há nada que se possa fazer contra bárbaros que invadem com Kalashnikovs”, disse o advogado da revista, Richard Malka, após o atentado. “A revista apenas defendeu a liberdade de expressão, ou simplesmente a liberdade”.

premium

Ler Anterior

Decisão do STJ sobre prescrição atingirá execuções fiscais no país

Leia em seguida

Retrocesso social prejudica todos os setores da sociedade

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *