> TJMT promove capacitação em educação ambiental

Núcleo Socioambiental do Tribunal de Justiça de Mato Grosso  realizou uma capacitação em educação ambiental para aproximadamente 140 prestadores de serviços gerais da limpeza, copa e jardinagem. O curso foi realizado no Auditório do TJMT, no último sábado (12 de setembro).

A capacitação apresentou noções sobre conscientização ambiental e noções gerais de medidas voltadas à melhor utilização e racionalização de água e energia elétrica. Nesta primeira etapa do projeto, o intuito é de capacitar os participantes a serem “sentinelas da racionalização”, ou seja, serem colaboradores na redução dos gastos de água e energia, e do uso consciente dos aparelhos de ar-condicionado. Esses profissionais estão em contato diário com todos os setores do Tribunal e Anexo e podem ajudar a monitorar o desperdício ou a má utilização desses recursos.

De acordo com a instrutora, a analista judiciária Mara Fernanda Florêncio, o curso rápido tem a finalidade de sensibilizar os colaboradores quanto às práticas sustentáveis. “Nesse primeiro momento daremos dicas para a economia de energia, água, copos e papeis. Porque precisamos falar de sustentabilidade, mas principalmente colocar em ação essas ideias no Judiciário”, pontua.

Os prestadores de serviços foram os primeiros a serem orientados sobre como vai ser a campanha de racionalização, porque em sua rotina de trabalho não possuem acesso a computadores e intranet, onde são veiculadas as notícias e as campanhas voltadas para o público interno. “Não tem como fazer processo de conscientização sem envolvê-los”, frisou a gerente do Núcleo Socioambiental do TJMT, Priscilla Daleffe.

Segundo Priscilla, essa foi a primeira grande ação do núcleo, criado em 29 de junho de 2015, por meio da Portaria nº 385, com intuito de cumprir o que determina a Resolução 201 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A resolução determina que os tribunais realizem a conscientização e mudança de hábito dos servidores para racionalizar os custos com esses serviços.

Para Carolina de Jesus da Luz, que participou da capacitação, o curso terá grande valia, pois trata da realidade vivida em todo o País. “É melhor prevenir que consumir sem medidas. Temos que reduzir o consumo de energia e água que já são racionadas em várias partes do Brasil. Com certeza faremos nossa parte, agora a responsabilidade também é nossa”, destaca.

Já o prestador de serviço Danilo Nascimento Gonçalves considera que é possível pôr em prática a sustentabilidade. “Vai demorar um pouco para que todos se adequem a esse programa de educação ambiental. Entretanto, com o tempo todos vamos conseguir, basta um pouquinho de esforço de cada um de nós”, acrescenta.

A capacitação ambiental será uma ação permanente e já estão previstos novos cursos e palestras. A próxima etapa do projeto será a capacitação dos servidores efetivos do tribunal. Os servidores das comarcas também serão convocados a aderir ao projeto. No interior, eles serão capacitados por meio de videoconferência.

Enquanto a estrutura está sendo montada para a realização do curso na modalidade à distância, a servidora Waléria Martins Viera, do Núcleo de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do TJMT, vai aproveitar as viagens para trabalhar a conciliação nas comarcas e levar orientações ambientais às unidades.

 

Texto: Glaucia Colognesi/Viviane Moura

premium

Ler Anterior

> Integração : Secretário-geral da Comissão de Direito Civil ministra curso sobre novo CPC em duas subseções

Leia em seguida

16/09/2015 – Publicado a LDO no Diário Oficial

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *