• 22 de abril de 2021

> TJMT é pioneiro em utilização de sistema BI

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) é pioneiro na utilização do software Business Inteligence (BI), que realiza análise da Justiça em Números, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A partir desta ferramenta é possível fornecer gráficos e relatórios para que o Poder Judiciário consiga tomar decisões com base em dados para melhorar os indicadores de congestionamento, baixa e pendências de processos.

 

O software, que na última semana conquistou o segundo lugar em uma premiação mundial da Microsoft, foi implantado no TJMT em julho de 2014 na Segunda Instância e em outubro na Primeira Instância, apresentando, em pouco tempo, resultados positivos que contribuem para a melhoria do desempenho do Judiciário mato-grossense.

 

A ferramenta oferece mecanismos para municiar informações que são fundamentais para a tomada de decisões dos gestores, identificando e respondendo demanda a qualquer hora e lugar. É o que conta o consultor de BI da Alen Informática, Altieri Pereira, ao explicar que os dados computados pelo software para que seja feita a avaliação são todos aqueles relacionados à taxa de congestionamento e aos indicadores que o CNJ cobra, ou seja, aqueles que tramitam nos tribunais. Esses dados são utilizados para ranquear os tribunais no Brasil.

 

“Extraímos informações do sistema Apolo, que é o sistema de Primeiro Grau, do Projudi, que é responsável pelos juizados especiais, e também extraímos dados do Proteus, que é o sistema do Segundo Grau. O intuito é conseguirmos identificar realmente onde estão (comarcas e varas, por exemplo) e em qual situação se encontram os processos”, complementou.

 

Para se ter uma ideia essas informações dos sistemas mencionados, que são extraídas diariamente, deram uma leitura de determinados gargalos que emperravam a máquina, como processos julgados que já deveriam ter sido baixados mas continuavam sendo computados na taxa de congestionamento. Depois da implantação do BI a taxa de congestionamento passou de 58% (quando foi implantado, em julho de 2014) para 42,16% em dezembro do mesmo ano. Com esse apontamento é possível definir estratégias, identificar onde está o problema e solucioná-los.

 

De acordo com o consultor, o escopo do prêmio da Microsoft é valorizar projetos que fizeram algum benefício para a população e que tiveram impacto na sociedade. E foi com esse objetivo que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso resolveu adquirir essa ferramenta, conforme explicou Altieri. “A ideia partiu do Tribunal de Justiça para melhorar a forma de como eles avaliam os dados da Justiça em Números. A parceria foi firmada com a Alen, que proveu a parte de tecnologia e implantação do produto”.

 

Para o juiz auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ) de Mato GrossoLuiz Octávio Saboia, o sistema BI é importante em toda organização, seja ela privada ou governamental, principalmente no âmbito do Poder Judiciário, onde há uma gama de sistemas. “Os nossos dados estão espalhados em vários sistemas. O BI é uma ferramenta que nos auxilia e possibilita que a consulta a todos os dados seja realizada de uma única vez. Ele permite que o Judiciário tenha muito mais agilidade e transparência na sua tomada de decisões. O Tribunal investiu numa ferramenta sólida, robusta e para nós é muito bom verificarmos que esse sistema foi premiado pela Microsoft como um software de qualidade”, avaliou.

 

Segundo o magistrado, a intenção do Tribunal de Justiça é expandir a ferramenta para toda a área administrativa, para que todo o volume de processos do Poder Judiciário seja ‘enxergado’. “Esta é uma ferramenta que está em constante evolução e que possibilita desenvolver relatórios que podem a todo momento facilitar a tomada de decisões. É um software que ajuda na medida em que  você tem condições de avaliar quais são os gargalos, onde estão localizados e aí sim tomar deliberações para que sejam resolvidos, para que existam ações pontuais onde há o problema e aí sim reduzir taxa de congestionamento, atingindo as metas estabelecidas pelo CNJ”, ressaltou.

 

Justiça em Números – É um programa de estatística do CNJ que visa medir como está a situação da justiça no Brasil inteiro. Todos os tribunais enviam as informações e são ranqueados. Dessa forma, o CNJ avalia o trabalho desenvolvido pelo Poder Judiciário nacional.

 

premium

Ler Anterior

23/07/2015 – Cejusc Ambiental será inaugurado nesta sexta-feira

Leia em seguida

23/07/2015 – Zeca Viana pede vista da LDO por ‘falta de respeito do governo’ aos deputados e para analisar emendas

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *