STF mantém “manual de comportamento” do CNJ para juízes na internet

18/09/2018 – Por não identificar nenhuma hipótese que justifique o controle dos atos do Conselho Nacional de Justiça pelo Supremo Tribunal Federal, o ministro Luís Roberto Barroso negou liminar para suspender o Provimento 71 do CNJ, que trata da manifestação de juízes nas redes sociais.

Segundo o ministro, como regra geral, o controle dos atos do CNJ pelo Supremo somente se justifica nas hipóteses de: (i) inobservância do devido processo legal; (ii) exorbitância das competências do conselho; e (iii) injuridicidade ou manifesta irrazoabilidade do ato impugnado.

O Provimento 71, editado pela Corregedoria Nacional de Justiça em junho, dispõe, entre outros pontos, que o magistrado deve agir com reserva, cautela e discrição ao publicar seus pontos de vista nos perfis pessoais nas redes sociais, evitando a violação de deveres funcionais e a exposição negativa do Poder Judiciário.

Também orienta que o magistrado evite, nesses canais, pronunciamentos oficiais sobre casos em que atuou e publicações que possam ser interpretadas como discriminatórias de raça, gênero, condição física, orientação sexual, religiosa e de outros valores ou direitos protegidos ou que comprometam os ideais defendidos pela Constituição da República.

No mandado de segurança, a Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages) e um juiz de Minas Gerais afirmaram que o provimento estabelece censura prévia às opiniões políticas de magistrados e impõe deveres funcionais, e não mera recomendação. Segundo eles, a medida afronta o princípio da legalidade e suprime as liberdades de expressão, informação e comunicação.

O ministro Barroso assinalou que, embora o MS se volte contra todo o provimento, a controvérsia diz respeito apenas à parte que interpretou a vedação ao exercício de atividade político-partidária por magistrados. Porém, segundo o relator, o caso dos autos não justifica o controle do ato do CNJ pelo Supremo.

Para o ministro, a limitação ao exercício de atividade político-partidária é um dos imperativos de independência e imparcialidade do Judiciário. Assim, a seu ver, não é destituída de razoabilidade a emissão, pelo órgão correicional da magistratura, de orientação que indique que as manifestações de apoio ou reprovação a candidatos e partidos em redes sociais podem configurar atividade político-partidária.

“O impacto das redes digitais na forma de comunicação e circulação de informação e o peso que essas redes assumiram nas campanhas eleitorais justifica a recomendação de cautela”, avaliou.

É natural, na visão do relator, que instituições públicas e privadas orientem seus integrantes sobre aquilo que reputam como compatível com a sua missão institucional ou corporativa.

“O fim dos limites estritos entre a vida pública e privada da era digital faz com que a conduta de um magistrado se associe, ainda que de forma indireta, ao Poder Judiciário”, ressaltou.

“Dessa forma, a defesa de um espaço amplo para essas manifestações em redes sociais é potencialmente lesiva à independência e à imparcialidade do Judiciário”, concluiu. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Clique aqui para ler a decisão.
MS 35.793

premium

Ler Anterior

As três mudanças que Lewandowski faria na Constituição se fosse constituinte

Leia em seguida

Ações questionam decisões da Justiça do Trabalho que não aplicam TR em correções

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *