Sintap e CSB fortalecem ato de Fórum para garantir direitos dos servidores

21/09/2016 – Cerca de dois mil servidores participaram, na última terça-feira (20.09), de ato organizado pelo Fórum Sindical na Capital de Mato Grosso. A ideia era fazer uma assembleia geral unificada das 32 categorias que compõem a entidade representativa dos servidores do Poder Executivo e esclarecer questões que afetam diretamente o funcionalismo público. Diversos pontos de enfraquecimento e sucateamento da coisa pública levaram O FS a repudiar as últimas ações governamentais e legislativas que estão sendo acordadas em Brasília-DF e no âmbito estadual que, segundo os organizadores, “carregam em seu bojo sérias ameaças aos serviços públicos prestados à população e aniquilação de direitos trabalhistas”. Diante da pauta o Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso (Sintap) e a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) marcaram presença.

 

Alguns dos problemas que devem chamar a atenção dos servidores, de acordo com a presidente do Sintap e também vice presidente da CSB, Diany Dias, é com relação à PLP 257 e à PEC 241 que, na Câmara Federal tramitam e podem ter como resultado o desmantelamento dos serviços públicos. Dias esclareceu aos servidores que é preciso a união de forças de todos para impedir a votação desses em Brasília onde todas as portas estão literalmente fechadas para os trabalhadores que pagam pelas mordomias que lá existem. A comprovação veio da dificuldade de entrada na Câmara de uma comissão de Mato Grosso que trabalhou em agosto para impedir a votação desses projetos.

 

“Somos 11 milhões de servidores em todo o País e é inadmissível que, para lutar contra esses projetos, tenham ido, apenas, 100 mil servidores de todo o País à Capital Federal. Precisamos acordar de que esses projetos vão abalar a vida de todos. Se a PLP, que passou na Câmara apesar da pressão dos servidores, for aprovada no Senado onde agora está, haverá um travamento dos estados e consequente arrocho às condições de estrutura e direitos trabalhistas. Já a 241 é ainda mais danosa porque congela o salário de todos por 20 anos e reduz os gastos públicos para investimentos em Educação, Saúde e Segurança o que sucatearia o sistema abrindo espaço cada vez maior à terceirização”, salientou.

 

Entraves locais

 

Outra questão, dessa vez local, levantada pelo ato do FS foi a Reforma da Previdência e a desoneração de repasses da união que tanto auxiliam no financiamento das políticas públicas. O interlocutor do FS, James Jaudy explica que, apesar de várias provocações, tentativas e propostas por parte das categorias de servidores públicos desde janeiro de 2015, o atual governo de Mato Grosso insiste em ignorar os graves problemas advindos do sucateamento e precarização dos serviços públicos prestados e que desta forma ferem diretamente a dignidade da população e dos servidores que se sentem impotentes diante da situação.

 

“O atual governo teve tempo suficiente para intervir junto aos demais poderes constituídos e demais instituições de controle do Estado, como o Ministério Público, Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas e Tribunal de Justiça afim de que todos enfrentassem juntos os atuais problemas econômicos e conjunturais pelos quais passam o Brasil”, adverte nota do FS.

 

Ainda assim, conforme informa o documento de repúdio da entidade, “mesmo com recomendação técnica da Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan) contrária ao remanejamento de recursos feitos para 2016, o governo não acatou e avalizou para que esses poderes continuassem recebendo altos orçamentos através da LDO e LOA com repasses financeiros acima de suas reais necessidades, acarretando com isto em sobras de dinheiro no caixa destes na ordem de 1 bilhão de reais no primeiro quadrimestre de 2016.

 

Diante dessas e de outros pontos importantes para o bom desempenho dos serviços públicos aos cidadãos a entidade busca agora maior união dos servidores na luta por garantia de direitos onde cada categoria vai estudar a melhor forma de fazer esta ação seja em forma de greve ou de ações judiciais antes que seja tarde.

premium

Ler Anterior

MT participa da maior feira de produtos têxteis da América Latina

Leia em seguida

TRE prepara 500 estudantes para fiscalizar caixa 2 em Cuiabá; CAIXA 1 já foi baixado em 550 aparelhos

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *