Selfie sexy é mais comum em países mais desiguais

22/09/2018 – O resultado é que o fenômeno da selfie sexy é mais prevalente em países educados e desenvolvidos, afirma Blake. “São as mesmas sociedades que passaram décadas lutando contra a objetificação sexual de mulheres e garotas – e que estão fazendo com que homens poderosos expliquem seu comportamento em relação a mulheres”.

Para entender essa aparente contradição, a equipe da psicóloga avaliou indicadores econômicos e de gênero nesses países. E descobriu que as mulheres são mais propensas a investir tempo e esforço em tirar e postar selfies sexy em países onde a desigualdade econômica está subindo.

Isso explicaria, segundo ela, por que os Estados Unidos, Reino Unido e Cingapura – onde a desigualdade de renda está aumentando – estão entre os países mais viciados em selfies, juntamente com um conjunto de países menos desenvolvidos mas muito desiguais – como Brasil, México e Colômbia.

As pessoas em países desenvolvidos com baixa desigualdade de renda – como Noruega, Suécia, Islândia e Dinamarca – tiram menos selfies sexy.

Assim, “a sexualização pode ser uma marca de ascensão social” e competição feminina.

Blake afirma que suas conclusões são consistentes com dados econômicos. As mulheres que vivem em regiões com grande desigualdade econômica nos Estados Unidos gastam mais em salões de beleza e lojas de roupas, por exemplo.

Foto: Getty Images / BBC News Brasil

premium

Ler Anterior

MPE busca cumprimento da Lei da Ficha Limpa

Leia em seguida

#Instaperfect: como a desigualdade pode estar impulsionando as selfies sensuais

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *