• 21 de abril de 2021

> Projeto trará melhorias ao Judiciário

Juízes e gestores de 14 varas da Comarca de Cuiabá participaram na manhã desta quarta-feira (29 de julho) de reunião com o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Paulo da Cunha, para conhecer o Projeto de Alocação de Recursos Humanos. Eles receberão o projeto piloto do programa lançado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e desenvolvido pelo Poder Judiciário de Mato Grosso.
Inicialmente, o projeto busca a modernização e a racionalização das rotinas (trabalhos) desenvolvidas nos cartórios, de forma a alcançar resultados melhores na taxa de congestionamento, na taxa de entrega de serviços e em índices de produtividade. Todo o trabalho é voltado para a melhoria da prestação jurisdicional entregue aos cidadãos.
De acordo com o coordenador de Recursos Humanos do TJMT, Carlos Campelo, o trabalho será desenvolvido em parceria com a Corregedoria e o Fórum da Capital, comparando varas iguais e respeitando a singularidade de cada unidade. “Nós fizemos levantamento de números dos últimos cinco anos, considerando o crescimento de cada unidade, o número de pessoas e de processos, taxa de congestionamento etc. Trabalharemos para saber o que pode ser melhorado e como vamos compartilhar com as outras secretarias os avanços conquistados”.
Ele afirmou ainda que para alcançar os resultados positivos esperados, já foram ou estão sendo implantados projetos como, por exemplo, a capacitação de servidores, projeto Academia de Novos Líderes, padronização de rotinas e o concurso para novos servidores. “Vamos construir em conjuntos os resultados positivos, verificar o que deu certo, o que precisa de ações corretivas. Sabemos que as unidades estão trabalhando, dando sua contribuição e, por isso, a taxa de congestionamento vem baixando”, ressaltou Campelo.
O desembargador Paulo da Cunha destacou que o Poder Judiciário está se modificando todos os dias e quanto mais pessoas capacitadas, melhores os resultados alcançados. “Temos muitos servidores competentes e queremos dar condições para que eles mostrem seu trabalho. Nós temos boas práticas, mas ainda temos dissabores com os números. Sei que todos estão empenhados em conseguir uma melhor posição no ranking do CNJ e que estamos trabalhando com afinco para modificar a situação. Nós, magistrados e servidores, somos comprometidos com o nosso trabalho e devemos continuar assim. Vamos juntos!”, conclamou o presidente.
O projeto será apresentado ao Tribunal Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso provavelmente em 20 de agosto. Já os trabalhos nas varas escolhidas começam antes, no dia 10 de agosto. A juíza Antônia Siqueira Gonçalves Rodrigues irá receber o projeto na Terceira Vara de Fazenda Pública, na qual é titular. Ela acredita que o projeto será muito bom para o Judiciário, pois é uma forma de aprimorar as rotinas e os trabalhos desenvolvidos. “A demanda é grande, mas o trabalho é feito com esforço e alegria”, declarou.
A juíza Helena Maria Bezerra Ramos também está animada. Responsável pela Oitava Vara Cível, ela disse que é importante investir em trabalhos que irão melhorar a entrega jurisdicional. “Para atingir a meta do CNJ é importante estar sob a liderança do TJ. Temos que estar sempre motivados para melhorias. É importante compartilhar boas ideias, boas práticas e oferecer melhorias para os cidadãos”, ponderou.
Os servidores presentes também confirmaram o apoio ao desenvolvimento do projeto. Uma das gestoras que participarão do piloto é Márcia Suzana Chupel, que gostou muito da apresentação e acredita no sucesso da iniciativa. “O projeto de alocação de Recursos Humanos promete e tem tudo para melhorar os trabalhos desenvolvidos nas secretarias. Ele prevê mudanças de conceitos no Poder Judiciário e também a premiação das melhores varas por meio da meritocracia. Quem trabalha melhor, receberá selos prata, ouro ou diamante. Acabará desenvolvendo uma disputa saudável”.
A corregedora-geral da Justiça, desembargadora Maria Erotides Kneip, também esteve presente na reunião e afirmou estar engajada na iniciativa. “O projeto que será desenvolvido no Judiciário de Mato Grosso servirá de exemplo para todos os Tribunais de médio porte. Este é um modelo que temos certeza que dará certo. Para mim é o melhor projeto desta gestão, pois trabalhamos muito e não merecemos continuar com um número tão alto de congestionamento”.
Alocação Orçamentária – Paralelamente ao projeto de alocação de Recursos Humanos o TJMT desenvolve uma segunda vertente, a de alocação de recursos orçamentários. Desenvolvido pela Coordenadoria de Planejamento, este projeto será implantado em todas as comarcas também a partir de agosto. O objetivo é diminuir os gastos com energia, telefonia fixa, telefonia móvel e correios.
De acordo com o coordenador de Planejamento do TJMT, Afonso Maciel, “o desenvolvimento deste projeto depende dos servidores e envolve necessariamente consciência socioambiental”. Por TJMT

premium

Ler Anterior

> Loja é condenada a indenizar menores por dano moral

Leia em seguida

A lógica autoritária das audiências de custódia

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *