Presidente do TRT/MT é indicado para o CSJT

28/02/2015 -O presidente do TRT de Mato Grosso, desembargador Edson Bueno, será o novo representante da região Centro-Oeste no Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), órgão de supervisão administrativa, orçamentária, financeira e patrimonial da Justiça do Trabalho de primeiro e segundo graus no país.

A indicação ocorreu durante a última reunião do Colégio de Presidentes e Corregedores dos TRTs (Coleprecor), realizada essa semana, em Brasília.

Ao comentar sua indicação, o presidente disse ser uma enorme alegria para o Tribunal retornar com um assento ao CSJT. Afirmou que irá trabalhar para que haja cada vez mais uma aproximação entre o Colégio de Presidentes com o Conselho da Justiça do Trabalho. O presidente expressou o desejo de se fazer “uma aliança renovadora, que possa fortalecer cada vez mais a Justiça do Trabalho e o papel que exerce na sociedade”.

Edson Bueno foi indicado ao lado do desembargador Francisco José Pinheiro Cruz, presidente do TRT da 14ª Região (RO/AC), que representará a região norte do Brasil no CSJT.

Conforme o regimento Interno do CSJT, a nomeação no cargo de conselheiro será realizada pelo Presidente do CSJT e do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ministro Antônio José de Barros Levenhagen.

Composição

O CSJT é formado pelo Presidente e o Vice-Presidente do TST, o Corregedor-Geral da Justiça do Trabalho e três ministros do TST, eleitos pelo Tribunal Pleno da Corte Superior. Além deles, outros cinco desembargadores representam cada uma das regiões geográficas do Brasil (Norte, Sul, Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste). Eles são indicados pelo Coleprecor.

Comissão

Além de ser indicado para o Conselho, o presidente Edson Bueno também foi eleito para presidir a Comissão de Assuntos Legislativos do Coleprecor. A comissão atuará junto ao Tribunal Superior do Trabalho e ao CSJT. FONTE TRT

premium

Ler Anterior

STJ se nega a analisar pedido feito pela defesa de Riva

Leia em seguida

Ministros e advogados apontam problemas da demora de indicação para o STF

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *