Prefeito diz que não teme cassação e não renuncia

31/03/2015 – O prefeito de Várzea Grande (PMDB), Walace Guimarães (PMDB), afirmou, em entrevista coletiva concedida à imprensa nesta segunda-feira (30), que não irá renunciar ao cargo.

Ele é alvo de ação de investigação eleitoral por suspeita de abuso de poder econômico, “caixa 2” e supostas fraudes em prestações de contas relativas à campanha eleitoral de 2012.

“A possibilidade de eu renunciar é zero. Essas conversas que surgiram afirmando qualquer coisa nesse sentido não passam de falácia”, disse.

Durante a entrevista, o prefeito afirmou também que não teme sofrer a cassação do mandato.

“Não temo ser cassado, nem por caixa 2 e nem por nenhum outro motivo. Tenho convicção de que a Justiça mato-grossense irá julgar com total isenção e vai obviamente analisar que não existe nada, nenhum tipo de comprovação contra mim, em relação a minhas contas de campanha”, afirmou.

“A possibilidade de eu renunciar é zero. Essas conversas que surgiram afirmando qualquer coisa nesse sentido não passam de falácia” “Porque eu iria temer? Eu sequer tenho apego ao Poder”, completou, ao alegar que espera que a Câmara de Vereadores aprove suas contas de campanha.

Embora uma perícia realizada pela empresa de auditoria Suporte Empresarial, de Cuiabá, mostre uma movimentação financeira de mais de R$ 1,2 milhão durante o período eleitoral, cujo movimento não foi declarado à Justiça Eleitoral, o prefeito afirma que as acusações são, na verdade, “ilações” e “subjetividades” feitas por adversários políticos.

“Minhas contas foram aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral, por unanimidade. As acusações são ilações, subjetividades. Nada daquilo é verdade”, disse o peemedebista.

A perícia foi contratada pelo Partido Democratas (DEM), que teve Lucimar de Campos como candidata à prefeitura em 2012.

Conforme a perícia, os valores mais vultosos foram transferidos por Mauro Sabatino Filho que, após a vitória de Walace, foi nomeado secretário de Finanças de Várzea Grande.

Além disso, foi constatado também que Sabatini transferiu pouco mais de R$ 517 mil a empresas que prestaram serviços a Walace, além de ter realizado transferências bancárias com o irmão do prefeito, o médico Josias Guimarães.

“Não existe nada de troca de favores. Quem ajuda a ganhar, ajuda a administrar. Não são só essas pessoas, existem muitas outras pessoas de confiança, dedicadas e que, obviamente, nos ajudaram a ganhar a eleição”, minimizou.

Quebra sigilo

“Ganhei uma eleição legítima, outorgada pelo povo. Infelizmente, existe um grupo, um partido político, que não sabe perder. Igual quando tira doce da boca de criança e a criança fica com aquele ‘chorôrô’ a vida inteira” O prefeito também comentou o fato de seu irmão, o médico Josias Guimarães, ter entrado com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na tentativa de também passar a ser réu na ação que é movida contra Walace e, ainda, quanto a tentativa de impedir o retorno aos autos de documentos sobre a quebra de seu sigilo bancário.

“Acho que existe um equívoco quando dizem que meu irmão estaria querendo assumir uma ‘culpa’ em meu lugar. Josias não quer assumir nada, ele só quer o direito de poder argumentar. O que é natural, já que ouve a quebra de seu sigilo bancário”, afirmou o prefeito.

“Tapetão”

Walace também voltou a afirmar que todas as acusações que pairam sobre ele são decorrentes do fato de o DEM ter perdido a eleição de 2012.

“Tenho certeza que a motivação é essa. Ganhei uma eleição legítima, outorgada pelo povo. Infelizmente, existe um grupo, um partido político, que não sabe perder. Igual quando tira doce da boca de criança e a criança fica com aquele ‘chorôrô’ a vida inteira”, disse.

“Quero deixar bem claro para os cidadãos, principalmente para o partido que está com essa intenção, que para assumir o poder em Várzea Grande, terão que disputar a eleição, terão que me vencer em 2016”, completou.

Vídeo polêmico

“Esse é um vídeo anônimo, sem assinatura, que não merece credibilidade e não merece respeito da sociedade. Para mim, isso parece até brincadeira feita às vésperas de eleição” Por fim, Walace afirmou ainda, que o vídeo que circulou nas redes sociais na última semana, e que mostram o suposto esquema de “Caixa 2” nas últimas eleições, não merece credibilidade.

As informações, segundo o vídeo, foram obtidas com as quebras dos sigilos bancário de todos os envolvidos diretamente na campanha de Walace.

As transações bancárias teriam revelado a existência de pagamentos diretos aos fornecedores de serviços, sem que tivessem sido declarados na prestação de contas. Pela gravidade do caso, a tendência é que Walace perca o mandato ainda neste ano.

“Esse é um vídeo anônimo, sem assinatura, que não merece credibilidade e não merece respeito da sociedade. Para mim, isso parece até brincadeira feita às vésperas de eleição. É um vídeo completamente sem nexo, inventado, mentiroso e que não condiz com a verdade”, afirmou. POR CAMILA RIBEIRO
DO MIDIANEWS

premium

Ler Anterior

OAB faz desagravo contra juiz de Mirassol nesta terça

Leia em seguida

Justiça bloqueia bens de prefeita e empresa em R$ 1,3 milhão

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *