Poder Judiciário investe em educação

23/05/2015 – O Poder Judiciário de Mato Grosso está cada vez mais próximo do cidadão. Nesse caminho, desenvolve ações socialmente responsáveis, firma parcerias, dá transparência às suas decisões e investe em educação. Na manhã desta sexta-feira (22 de maio), o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Paulo da Cunha, e a corregedora-geral da Justiça, desembargadora Maria Erotides Kneip, assinaram um termo de cooperação técnica com a Polícia Judiciária Civil, a Polícia Militar e a Academia Mato-grossense de Letras para ampliação do programa ‘Poder Judiciário na Escola’.

A partir desse ato, ficou instituído o projeto ‘Justiça se Aprende na Escola’, com objetivo de levar conhecimento às crianças e adolescentes do Estado, bem como divulgar as ações e funções das entidades de compõem a rede com interesse no Sistema de Justiça. “Investimos nas crianças porque elas são multiplicadoras de informação. E é importante começarmos com esses ensinamentos logo cedo, uma vez que isso reflete no futuro e ajuda a moldar a vida da criança para um convívio harmonioso em sociedade”, enfatiza o presidente Paulo da Cunha.

Para a desembargadora Maria Erotides, há uma importante relação entre a missão do Judiciário – de dar a cada um o seu direito, mediar conflitos e dizer o que é legítimo, a transparência da Justiça e a educação. “Um mundo melhor começa pela educação. E se nos propomos a ir às escolas, estamos ajudando a mudar o mundo. Nós temos o dever institucional de ser transparentes e mostrar como fazemos Justiça. E as crianças precisam conhecer desde cedo aquilo que lhes é dado por direito, pela lei, para saberem como se defender”, afirma a corregedora.

Os novos parceiros do Poder Judiciário vão caminhar nessa mesma direção e levar informações para os estudantes de escolas públicas em todo o Estado. A Polícia Civil vai apresentar o programa ‘De Cara Limpa Contra as Drogas’ que tem por objetivo evitar que crianças e adolescentes tenham contato com o mundo das drogas. “É uma satisfação participar do projeto do Poder Judiciário e compor essa rede de parceiros. Acreditamos que investir nas crianças e na educação realmente é o caminho para combatermos o uso das drogas”, considera o delegado geral da PJC, Adriano Peralta Moraes.

De acordo com o coronel da PM Róberson Dias Pereira, o projeto tende a melhorar as condições de vida das crianças e dos adolescentes, além de auxiliar diretamente no combate à criminalidade. “O benefício de ações como essa é imensurável, uma vez que envolve não só os estudantes como também a família e a escola”, pontua.

Com a assinatura do termo de cooperação, os programas já desenvolvidos pelas instituições parceiras – como o ‘De Cara Limpa Contra as Drogas’ e o ‘Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd)’ – passam a compor o projeto ‘Justiça se Aprende na Escola’.

Corregedoria-geral da Justiça promove concurso de redação

‘Porque Justiça também se aprende na escola’ é o tema do concurso de redação lançado na manhã desta sexta-feira (22 de maio), durante a assinatura do termo de cooperação técnica que institui o projeto ‘Justiça se Aprende na Escola’. O concurso será realizado pela Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ), em parceria com a Academia Mato-grossense de Letras (AML), com objetivo de incentivar a reflexão sobre Justiça e Cidadania, bem como sobre Judiciário, Estado, funcionalidade dos Poderes e Órgãos.

O concurso também vai incentivar a leitura e a escrita e reconhecer os talentos da comunidade local por meio de premiação. Podem participar os estudantes das escolas visitadas pelo ‘Poder Judiciário na Escola’, a partir deste mês. No dia 29 de maio o programa estará na Escola Estadual Historiador Rubens de Mendonça, em Cuiabá, e na Escola Estadual Manoel Correa de Almeida, em Várzea Grande.

Em junho, recebem o programa as escolas estaduais Governador Dante Martins de Oliveira, Filogonio Correa, Heliodoro Capistrano da Silva e Pedro Gardes. Após a realização da palestra, caberá à gestão escolar aplicar o concurso de redação com texto dissertativo sobre o tema ‘Porque Justiça também se aprende na escola’. A redação deverá ser escrita em sala de aula, na presença de um professor. Os melhores textos serão selecionados pela escola e entregues à comissão organizadora do concurso em até 30 dias após a visita do programa.

As redações selecionadas serão avaliadas pela Academia Mato-grossense de Letras, segundo critérios técnicos de adequação ao tema, coesão, coerência, clareza de ideias e originalidade. “Nós montaremos uma comissão para selecionar os melhores textos levando em consideração a correção ortográfica, a gramática e especialmente a ótica literária. Vamos tentar identificar alunos com potencial literário”, destaca o presidente da AML, Eduardo Moreira Leite Mahon.

Serão premiados os autores das cinco melhores redações de cada escola. A premiação inclui um notebook para o primeiro lugar e um vídeo game para o segundo lugar. “A previsão é de divulgarmos o resultado dessa primeira etapa em 20 de agosto. No segundo semestre, levaremos o programa para as escolas municipais e faremos um novo concurso de redação”, explica a juíza auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça e membro da comissão organizadora, Amini Haddad.POR TJMT

premium

Ler Anterior

Último dia de inscrição para palestra sobre Responsabilidade Empresarial

Leia em seguida

Justiça afasta prefeito de Juruena do cargo

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *