PF diz que advogada ajudou traficantes a falsificar documentos

30/01/2015 – A Polícia Federal levou dez meses para identificar de que forma atuava cada integrante da quadrilha que operava o tráfico internacional de drogas e que foi desmontada pela Operação Soberba”, deflagrada na manhã de quinta-feira (29).

As peças fundamentais para o funcionamento do esquema, segundo a PF, eram dois cuiabanos: a advogada Janaína Barreto Passadore e o doleiro Marson Antônio da Silva.

O delegado Marco Aurélio Fávari, um dos responsáveis pela operação, informou ao MidiaNews que Marson, por ter influência no mundo financeiro, era o responsável por conseguir meios para que o dinheiro dos traficantes brasileiros atravessasse a fronteira e chegasse até os traficantes bolivianos, e vice e versa.

“Os traficantes daqui e de lá tinham dificuldade em levar o dinheiro para além da fronteira. Então, eles contrataram o doleiro, que recebia o dinheiro do traficante brasileiro e fazia com que, por meios operacionais, o traficante lá na Bolívia conseguisse receber o montante”, explicou o delegado.

Quanto a Janaína Barreto Passadore, segundo a Polícia Federal, ela teria excedido o papel de advogada do grupo criminoso e se aproveitado das informações privilegiadas, que obtinha como operadora do Direito, para beneficiar e informar os traficantes.

Teria, inclusive, auxiliado os criminosos a confeccionar documentações falsas para conseguirem escapar das ações de Inteligências da Polícia Federal. “Os traficantes daqui e de lá tinham dificuldade em levar o dinheiro para além da fronteira. Então, eles contrataram o doleiro, que recebia o dinheiro do traficante brasileiro e fazia com que, por meios operacionais, o traficante lá na Bolívia conseguisse receber o montante”

“Ela ajudou traficantes até a falsificarem documentos. Por ter trânsito em repartições, ela identificava placas de veículos usados pela Polícia e passava aos criminosos. Extrapolou o seu papel como advogada”, disse o delegado Fávari.

Cerca de 150 policiais participaram da Operação Soberba em várias parte do Brasil, com desdobramentos em Mato Grosso, Minas Gerais, Mato Grosso e São Paulo.

Do total, 40 agentes concentraram esforços somente no Estado.

Operação

A operação foi deflagrada pela PF no início da manhã de quinta-feira, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa voltada à prática do tráfico internacional de cocaína.

Segundo a PF, a quadrilha era financiada pelo doleiro, com o suporte da advogada.

As investigações se iniciaram há aproximadamente um ano e estavam baseadas em Cuiabá e Várzea Grande.

Foram apreendidos 218 quilos de pasta base de cocaína, além de um quilo de cloridrato de cocaína, 195 mil dólares, R$ 34 mil, além de diversos veículos.

A Justiça Federal determinou ainda o bloqueio de contas bancárias utilizadas pelos investigados, além do sequestro de bens.

Segundo a Polícia Federal, o nome da operação se deve à postura dos investigados, com ostentação perante a sociedade e crença na impunidade.
POR PRISCILLA VILELA DO MIDIANEWS

premium

Ler Anterior

Sindicância contra juiz de Sinop é adiada pelo TJ-MT

Leia em seguida

CAB é multada em R$ 2 milhões por falhas no abastecimento

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *