• 8 de março de 2021

PANELAÇO DE 15 DE MARÇO

A dondoca aí da charge é muito parecida com mulher de banqueiro, usineiro, latifundiário, empreiteiro, agiota, estelionatário, advogado inescrupuloso, dono de organizações midiáticas e/ou outras organizações, bicheiro, contrabandista, sonegador de impostos, grileiro, traficante de armas e drogas, funcionário corrupto em todos os poderes da República, inconformado com o fim da ditadura.

A madame convoca todas as donas de casa e o público em geral para fazer um panelaço (Aécio Neves já disse que vai faltar panela nas Casas Bahia e na Ricardo Eletro, mas vive um drama hamletiano: mostrar ou não mostrar a sua cara) na Avenida Paulista para derrubar a presidenta Dilma Rousseff, contra quem a dondoca, ou seu marido, ou seja lá quem for, não é capaz de apontar o menor indício de prática de corrupção, roubo ou qualquer outro delito, como, por exemplo, mandar construir aeroporto com o dinheiro público para uso privado seu e de seus familiares, ou dirigir bêbeda e com carteira de habilitação vencida etc. etc. etc..

E não é só. A dondoca e suas aliadas querem que as mulheres do Brasil e todo o povo brasileiro esqueçam que centenas de milhões de panelas de todo o Brasil já não estão mais vazias, que foi criada a Lei Maria da Penha (para evitar que as mulheres sejam tratadas com porrada e outros tipos de violência) e que agora foi sancionada uma lei que pune o uxoricídio com pena muito mais rigorosa. Afinal, as mulheres assassinadas por seus próprios maridos eram também, esposa, companheira, mãe, avó, tia, enfim, gente, e gente trabalhadora e empreendedora, pois, de fato, dezenas de milhões de brasileiras hoje têm seu negócio próprio, nos campos e nas cidades. Tudo isso graças aos governos do PT, que a dondoca e Aécio querem destruir.

Neste exato momento, a deputada petista Benedita da Silva está defendendo a contribuição previdenciária de 12% (em vez de 8%, como queria a dondoca) para as empregadas domésticas com carteira assinada (mais outra coisa da era do PT).

No fundo, no fundo, as dondocas e as mulheres que ela e Aécio Neves conseguirem enganar, com o apoio do udenismo golpista e raivoso e ampla cobertura do Partido da Imprensa Golpista (PIG), querem mesmo a volta da condição submissa da mulher de outras eras, como se pode ver nos versos de algumas canções a seguir transcritos:

“Às vezes passava fome ao meu lado/E achava bonito não ter o que comer” (“Amélia”, de Ataulfo Alves, há mais de meio século)..

“Estava jogando sinuca/Uma negra maluca me apareceu…Toma que o filho é teu, meu sinhô” (“Nega Maluca”, samba carnavalesco dos anos 1950)

“Lata d’água na cabeça/Lá vai Maria/Sobe o morro e não se cansa/Pela mão leva a criança” (“Lata d’água na cabeça”, idem).

“Ela é a sua esposa/Não é a sua empregada” (samba-canção de mais de meio século).

“Você diz que é operário/Vai em busca do salário/Pra poder me sustentar” (“Com açúcar, com afeto”, Chico Buarque, anos 1960).

“Ele é o homem/Eu sou apenas uma mulher” (“Esse cara”, Caetano Veloso, anos 1970).

Diante do panelaço da dondoca e seus seguidores contra o discurso da presidenta Dilma Rousseff no Dia Internacional da Mulher, possa eu prestar minha singela homenagem às mulheres do mundo inteiro, com minha música, cuja letra aqui transcrevo:

“PROCURA-SE UMA MULHER

Procura-se uma mulher
Que tenha muita personalidade
Já dizia o mestre Flaubert
Que cada uma tem sua qualidade

Mulher alemã é vaporosa
A argentina é muito orgulhosa
Mulher francesa é libertina
A americana leva muitos à ruína

Mulher japonesa
Com seu encanto e suavidade
Mulher dinamarquesa
Tem cada uma que é bonita de verdade

Oh! formosura
A angolana é coisa de artista
De Cingapura
É a mulher um tanto exclusivista

Mulher da China
Confesso, não conheço
A marroquina
Será que eu mereço?
A mulher turca sabe ser misteriosa
Mulher de burka é uma aventura perigosa
A brasileira é um caso à parte
Até parece uma obra de arte
Mulher do Brasil
Com seus encantos mil

Mulher paulista não para na pista
A carioca não gosta de fofoca
Mulher mineira não é interesseira
Mulher baiana é metida e é bacana
Mulher gaúcha diz tudo na bucha
A nordestina tem jeito de menina
Mas a mulata é a tal
Que tem a cara do carnaval

Procura-se uma mulher
Fale de mim quem quiser
Eu sou, eu sou
Eu sou, eu sou, eu sou
Eu sou, eu sou
Eu sou feliz com o meu amor”

Boanerges de Castro

premium

Ler Anterior

STJ decide prescrição para ação revisional de cédulas de crédito rural

Leia em seguida

Candidatos devem se manifestar sobre documentação

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *