Onde tudo começou: a evolução da justiça em Cuiabá

08/04/2015-
Poucos sabem, mas o Fórum de Cuiabá já percorreu vários pontos históricos da cidade antes de se fixar no Centro Político Administrativo. À época, dividido em fórum cível e criminal, as unidades judiciárias ocuparam diversas edificações em lugares como um prédio na rua Campo Grande; salas da Galeria GG, na rua 13 de junho; o antigo Palácio da Justiça e o hotel Fenícia, ambos na Av. Getúlio Vargas; o prédio onde ficam os Correios, na Prainha; o hotel Paiaguás, na avenida do CPA e, finalmente, o atual Fórum Desembargador José Vidal, no Centro Político Administrativo.

O advogado e ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Mato Grosso, Renato Gomes Nery, acompanhou a evolução do Fórum da Capital desde o início. “Os primeiros fóruns eram um tanto precários, pois eram adaptados de hotéis e outras estruturas, como o hotel Fenícia e o Paiaguás. A demanda da época, entretanto, era bem menor que hoje, pois Cuiabá tinha apenas duas dúzias de advogados. No início da década de 90, eu tinha um escritório na 13 de junho e costumava vir a pé ao Fórum”, afirma.

Renato conta ainda que a junção das atividades cíveis e criminais em um único lugar, em 2005, trouxe mais segurança e conforto para a população e para os advogados cuiabanos. “A vinda do fórum para o Centro Político Administrativo foi um grande salto para a Justiça Cuiabana. Quem conheceu as antigas instalações sabe disso”, garante Renato.

O desembargador Gilberto Giraldelli foi o juiz diretor da comarca durante a transição dos fóruns cível e criminal do Centro e da avenida do CPA para o Centro Político Administrativo. Ele conta que a mudança do acervo e mobiliário de dois prédios foi uma tarefa hercúlea. “Foram dezenas de caminhões para transferir tudo, mas com a ajuda dos servidores e da transportadora contratada, conseguimos terminar tudo em cinco dias”, assegura o desembargador.

Ele conta ainda que o fórum funcionou com um indutor do desenvolvimento da cidade para aquela região, já que quase não havia construções no Centro Político Administrativo no período. “Tivemos que realizar parcerias para levar coleta de lixo, linhas de ônibus e abastecimento de água e energia para o local. Não havia nada por lá”, observa Giraldelli.

Um ponto importante que Giraldelli priorizou foi a organização dos arquivos. “Os processos e arquivos ficavam espalhados pelos antigos fóruns, uma vez que não havia espaço para organizá-los apropriadamente. Por isso, procuramos centralizá-los em um único local e organizá-los em caixas. Isso aumentou a ordem e a segurança e melhorou a pesquisa por arquivos e documentos. Além disso, foram feitas obras de acessibilidade, foi implantada a identificação na portaria e os oficias de justiça foram organizados por setores”.

Servidor do Poder Judiciário há 27 anos, Benedito Maurício Mattos acompanhou de perto a instalação do arquivo do Fórum de Cuiabá. “Antigamente era muito complicado achar documentos e os arquivos que foram baixados nas varas. Tivemos um trabalho grande e de muita paciência para organizar um volume tão grande de processos, mas hoje está tudo perfeito”, afirma.

Sobre o Fórum de Cuiabá, ele diz: “sou muito feliz e agradecido pela minha vida profissional. Com ela, sustentei minha família por todos esses anos. Mas, além disso, o melhor que esse fórum me deu foram os amigos que fiz por aqui”, pondera o servidor.

Parte da história do Fórum da Capital também se confunde com a história de vida da servidora Olga de Oliveira Leite, de 63 anos. A técnica judiciária de matrícula 480 (uma das primeiras) vai completar 40 anos de Poder Judiciário e garante que não se vê fazendo outra coisa. “Já passei por vários setores do Fórum de Cuiabá e gosto muito do que faço. Grande parte dos meus amigos vieram deste lugar. Já poderia ter me aposentado, mas não consigo ficar longe daqui”, revela Olga.

O desembargador Márcio Vidal também nutre boas lembranças em relação ao Fórum Desembargador José Vidal, já que a edificação foi batizada com o nome do pai dele. “Sempre me emociono quando vou ao fórum e vejo o nome do meu pai. É uma honra e uma satisfação para um filho saber que seu pai foi homenageado pelos trabalhos prestados à Justiça Mato-Grossense. Aprendi muito com meu pai sobre princípios e sobre o direito”.

Por ter sido juiz responsável pela Vara da Fazenda Pública de Cuiabá por nove anos, Márcio Vidal conhece bem a evolução da unidade. “O fórum representa a celular mater do Poder Judiciário. Aliás, Cuiabá tem um significado muito importante para o Estado, pois a história de MT, na época ainda província, começa por Cuiabá. Quando o Tribunal de Justiça foi instalado em 1974, dentre as comarcas existentes na época – eram cinco apenas – estava Cuiabá. Então, Cuiabá sempre foi muito importante para o Judiciário Mato-Grossense”, enfatiza o magistrado.

Saiba mais:

Fórum acompanha desenvolvimento de Cuiabá
http://www.tjmt.jus.br/noticias/38799#.VSRB6NwZHI0

Coordenadoria de Comunicação Social do TJMT

premium

Ler Anterior

Juvam e Vema estão funcionando plenamente

Leia em seguida

TJ e UNIC fazem parceria para difundir conciliação

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *