OAB e Ministério Público saúdam Toffoli em sua primeira sessão no CNJ

19/09/2018 – O ministro Dias Toffoli foi homenageado nesta terça-feira (18/9) pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pelo Ministério Público Federal no início da 278ª Sessão Ordinária do CNJ – a primeira a conduzir como presidente do Conselho Nacional de  Justiça.

Ao agradecer as homenagens, o ministro ressaltou a emoção de presidir o CNJ, órgão que considera extremamente relevante. “Vejam que antes de presidir a sessão no STF tive a honra e a felicidade de estar aqui neste CNJ, onde estão presentes vários segmentos da magistratura brasileira, funções essenciais à Justiça, representantes do povo brasileiro e da federação brasileira”, disse o ministro.

Cláudio Lamachia, presidente da OAB, ressaltou a importância do CNJ para a democracia e para o funcionamento do Poder Judiciário e manifestou a convicção de que o ministro Dias Toffoli conduzirá o órgão com propriedade e competência. “O ministro Toffoli ainda jovem chegou ao STF e já teve a oportunidade de desempenhar funções relevantíssimas no âmbito da Justiça, como presidir as eleições brasileiras com maestria. Temos a convicção de que à frente do CNJ saberá mais uma vez desempenhar as atividades com muito brilho como tem feito ao longo de sua trajetória profissional”, afirmou Lamachia.

O subprocurador geral da República Carlos Alberto Vilhena reafirmou a confiança na condução do Poder Judiciário pelo ministro e desejou que a gestão seja um marco para a Justiça e o melhor para toda a sociedade brasileira. Já o corregedor Nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, destacou o compromisso do CNJ na defesa da legalidade democrática e na fiscalização, no âmbito administrativo e financeiro, do poder Judiciário, bem como da atividade dos juízes e servidores. “Muitas luzes e bênçãos para que vossa excelência venha a desempenhar a missão como tem sido no STF, com competência, diálogo e sobretudo respeitando a harmonia entre os poderes da república e o pacto federativo, em busca de um Brasil mais humano, justo e fraterno”, disse o ministro Humberto Martins.

Pauta factível

O ex-presidente da Associação dos advogados de São Paulo (AASP), Marcio Kayatt, pediu a palavra, “para quebrar o protocolo” e, em nome dos advogados que atuam no CNJ, destacou duas mudanças já executadas após a posse do ministro Dias Toffoli. A primeira delas foi a disponibilização de um terminal de computador na tribuna dos advogados que lhes permite o acompanhamento do processo em que atuam. “Na era virtual, era inadmissível que não contássemos com este recurso”, disse Kayatt.

A outra mudança celebrada pelo advogado foi a elaboração de uma “pauta factível”, com apenas onze itens para julgamento. “Nos últimos anos o CNJ apresentou pautas com cerca de 160 processos, fazendo com que os advogados se dirigissem até aqui, arcando com os custos de passagem e hospedagem, até por quinze semanas seguidas”.

Luiza Fariello
Agência CNJ de Notícias

premium

Ler Anterior

Após Seminário Estadual, sai edital para especialização em Direitos Humanos

Leia em seguida

Toffoli defende ações para garantir proteção a direitos da primeira infância

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *