• 21 de abril de 2021

Número de testemunhas protegidas pelo Provita cai 29% no governo Dilma Rousseff

12/01/2015 – O número de pessoas protegidas pelo Programa de Assistência a Vítimas e a Testemunhas Ameaçadas (Provita), do governo federal, caiu 29% durante o primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff (PT). Em 2010, último ano do governo Lula, havia 1.038 brasileiros, entre testemunhas e acompanhantes, assistidas pelo Provita. Atualmente, são 737 vítimas sob proteção. As informações são do jornal O Globo.

A diminuição se deve ao atraso nos repasses às pessoas protegidas pela iniciativa, à falta de dinheiro para que elas possam arcar com despesas básicas e à burocracia.

O programa foi criado há 16 anos para ajudar na investigação de crimes. O objetivo dele é proteger testemunhas-chave em processos criminais, especialmente em casos de homicídio cometidos pelo tráfico de drogas e pelas milícias.

Para participar do Provita, a testemunha precisa ter colaborado em investigação policial ou processo criminal. Um conselho deliberativo, formado por representantes do Judiciário, do Estado e da sociedade civil decide se a vítima vai ser aceita ou não no programa.

O governo federal destina R$ 13 milhões por ano ao programa. Essa verba é repassada aos estados por meio de convênios. No entanto, apenas 11 deles (Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo), além do Distrito Federal possuem acordos desse tipo com a União.

A ministra Ideli Salvatti, da Secretaria de Direitos Humanos (SDH) e a coordenadora nacional do Provita, Heloiza Egas, não quiseram comentar o assunto.

Em nota, a SDH informou que, entre outras medidas, “implementará, a partir de 2015, a formalização de convênios por período superior a quatro anos, evitando-se assim a repetição anual dos trâmites administrativos para celebração dos convênios, que demanda tempo e esforço da União e dos estados”. Segundo a secretaria, os estados que não têm parceria com o governo federal não são prejudicados porque técnicos do Provita atuam diretamente na execução do programa.

Mudanças na vida
A testemunha que é incluída no Provita sofre alterações drásticas em sua vida, como troca de endereço e até mudança para outro estado. Dependendo da gravidade da situação, há possibilidade de a testemunha mudar o nome para não correr riscos. Nesse caso, a vítima pode ter a identidade original de volta quando as ameaças terminarem. O prazo de permanência no Provita é de dois anos, podendo ser prorrogado pelo mesmo período.

O programa paga até dois salários mínimos por mês às testemunhas protegidas. Além disso, o Provita custeia despesas como aluguel, água, luz, alimentação e auxílio médico-odontológico. Mas, com os atrasos nos repasses de dinheiro, muitas testemunhas desistem do programa.

premium

Ler Anterior

Só convenção de condomínio pode regular obrigações comdominiais

Leia em seguida

PL permite suspensão de tratados com países que desrespeitem direitos humanos

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *