Negar embarque de bicho de estimação é ato ilícito

14/09/206 – Comete ato ilícito a empresa aérea que nega embarque de animal de estimação sem justificativa, mesmo com reserva pré-agendada e com toda a documentação apresentada pela consumidora. Com este entendimento, a Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso não acolheu recurso de apelação de duas empresas aéreas (VRG Linhas Aéreas S.A. e Gol Linhas Aéreas Inteligentes S.A.), que buscavam reverter condenação proveniente da Comarca de Tangará da Serra (239km a médio-norte de Cuiabá).

 

No caso julgado a consumidora precisou retornar à Argentina, onde reside, sem seu cão e depois voltar ao Brasil para buscá-lo. A empresa área foi condenada, posto que a responsabilidade pela prestação de serviços é objetiva, conforme estipula o Código de Defesa do Consumidor, não tendo o fornecedor demonstrado que, prestado o serviço, o defeito inexistiu ou que houve culpa exclusiva de consumidor ou de terceiro.

 

De acordo com a relatora, desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho, o valor da indenização – R$ 905,65 a título de danos materiais e R$ 8,8 mil de danos morais – foi mantido, posto que arbitrado em consonância com os elementos dos autos, em razão do dano suportado pela autora, que lhe causou sensação de impotência, angústia e outros sentimentos negativos que abalaram sua estabilidade emocional, inclusive com necessidade de retornar ao Brasil para buscar e levar seu animal para a Argentina.

 

O acórdão que julgou o recurso de Apelação 65479/2016 foi disponibilizado no Diário da Justiça Eletrônico nº 9856, em 12 de setembro de 2016. Confira AQUI o documento.

http://servicos.tjmt.jus.br/ViewDocumento.aspx?key=93062b5c-9a3e-4e04-b9f3-c94a10146052

 

 

Por; Vlademir Cargnelutti

premium

Ler Anterior

Parceiros unem esforços para o Ribeirinho Cidadão

Leia em seguida

Escolas municipais recebem internet gratuita em parceria com a NET

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *