Ministra do Meio Ambiente critica ‘militância’ de secretária em MT

19/02/2015 – Ministra lamentou que alguns órgãos sequer tenham sabido ler e interpretar a referida portaria e, que secretários de estado do Meio Ambiente ajam como militantes
Durante reunião com a bancada de Mato Grosso e representantes do seto florestal na noite de quarta-feira,11, em Brasília, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, garantiu que a Portaria 443/2014 – que proíbe a extração e comercialização de 31 espécies de madeiras – não torna inexequível o trabalho dos madeireiros, uma vez que a lei não retroage e quem já tem plano de manejo e licenças ambientais, poderá continuar trabalhando normalmente.

A ministra lamentou que alguns órgãos sequer tenham sabido ler e interpretar a referida portaria e, que secretários de estado do Meio Ambiente ajam como militantes, ao invés de fazerem políticas públicas.

“Eu disse isso para a secretária de Mato Grosso (Ana Luiza Peterlini). Secretário de governo não é para fazer militância, isso se faz do lado de fora. Secretário é para fazer políticas públicas”, disse a ministra ao garantir que o MMA não demoniza nenhum setor e tem interesse que na continuidade de extração legal da madeira.

A deputada Janaina Riva (PSD), que participou da reunião junto à bancada federal de Mato Grosso, disse que a fala da ministra foi um alívio para as mais 20 mil famílias mato-grossenses que sobrevivem do setor.

“Sou nascida em uma região onde a madeira faz girar a economia e é parte da subsistência da população. Já fazermos parte da reserva legal onde a lei para extração e manejo é rigorosíssima e determina que 80% das áreas sejam preservadas. Proibir a extração de espécies nativas e abundantes no nosso estado é tirar o sustento de ao menos 20 famílias. Saio daqui hoje com a sensação de dever comprido e promessa de resolução deste imbróglio”, afirmou Janaina.

premium

Ler Anterior

Câmara aprova Lei dos Caminhoneiros com jornada máxima de 12 horas

Leia em seguida

Aumenta número de padrinhos afetivos em 2015

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *