Mercado deve indenizar por furto em estacionamento

Uma cliente e prestadora de serviços de uma rede de hipermercados deverá ser indenizada em R$ 11.719 por ter a bolsa furtada no estacionamento de uma de suas lojas. A decisão é do juiz Luis Otávio Pereira Marques, da Terceira Vara Cível da Comarca de Várzea Grande.

A pessoa a ser indenizada presta serviços de balanço e inventário em estabelecimentos comerciais e trabalhou durante a noite do dia 22 e madrugada do dia 23 de julho de 2013 no local, quando o fato aconteceu. A bolsa furtada estava guardada debaixo do banco do carro da colega de trabalho da vítima. O veículo passou a noite no estacionamento do mercado, porque a proprietária também estava cumprindo expediente. A trabalhadora lesada alegou ter guardado os pertences naquele local para evitar ser submetida à revista após o fim do turno de trabalho.

Parte da indenização fixada pela Justiça refere-se a danos materiais, pois no interior da bolsa havia R$ 1 mil em dinheiro e um celular no valor de R$ 719. Os prejuízos sofridos foram comprovados por meio de nota fiscal, boletim de ocorrência e testemunho da colega de trabalho. A prejudicada também requisitou as filmagens das câmeras de vigilância do hipermercado, mas a unidade não as disponibilizou sob o argumento de que não mais as possuía.

A maior parte da indenização, ou seja, R$ 10 mil, referem-se a danos morais pela angústia sofrida pela vítima ao constatar o furto e também pelo desgaste de confeccionar novos documentos e solicitar o cancelamento dos cartões para evitar mais prejuízos. “É certo que o evento acarretou transtornos à autora, em razão da ausência de auxílio por parte da requerida para a elucidação do furto. Assim, é inegável que a autora sofreu alteração no seu equilíbrio emocional, passou por constrangimentos, que não pode ser considerada como mero aborrecimento”, destaca o magistrado.

Ao ter o seu caso analisado pela Justiça, a trabalhadora também foi enquadrada como cliente, pois durante o período em que permaneceu no mercado também adquiriu produtos e, conforme a doutrina, jurisprudência e legislação já sedimentadas, cabe à empresa que fornece estacionamento responder pelos danos sofridos ao consumidor.

“Ainda que a autora não tivesse realizado qualquer compra nas dependências da empresa requerida, e estivesse no local apenas para exercer sua atividade laboral em benefício da requerida, não isenta esta da obrigação de guardar e cuidar dos pertences lhes confiado pelos que se utilizam do estacionamento do supermercado”, reforça o juiz em sua decisão.

Além disso, jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) não faz distinção entre consumidor que efetua compra e aquele que apenas vai ao local sem nada gastar. Em ambos os casos, entende-se pelo cabimento da indenização em decorrência do furto em veículo.FONTE TJMT

premium

Ler Anterior

Lei Orgânica Municipal de Várzea Grande permanece inalterada há mais de 10 anos

Leia em seguida

Comissão de Direito Eletrônico cobrará melhorias de empresa de telefonia para PJe

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *