• 24 de setembro de 2021

Juvam:projeto de reciclagem tem avaliação positiva

O projeto piloto de coleta seletiva realizado pelo Juizado Volante Ambiental (Juvam), em parceria com a Associação de Moradores Pró-Bosque da Saúde, completa, em maio, cinco meses com avaliação muito positiva. O caminhão, cedido pela prefeitura, tem que fazer até duas viagens à Cooperativa de Materiais Recicláveis (Coopemar), que recebe o material, devido ao grande volume de material recolhido pelos moradores semanalmente.

Foram distribuídas sacolas para a coleta dos materiais recicláveis, como vidro, metal, plástico e papel. Faixas informativas foram colocadas nas principais vias do bairro para divulgar o projeto.

De acordo com o conciliador do Juvam, Alexandre Corbelino, a avaliação dos cinco meses de projeto de reciclagem é positiva em relação ao trabalho que foi feito. “Constatamos com a cooperativa que somente com uma viagem do caminhão já não estava sendo possível fazer o recolhimento de todos os materiais recicláveis que foram separados pelos moradores e trabalhadores aqui do Bosque da Saúde. A adesão é gradativa e já avaliamos como positiva essa experiência”.

O projeto piloto abrange o bairro Bosque da Saúde e os circunvizinhos, como Miguel Sutil, Terra Nova e Consil, e tem despertado o interesse de outros bairros também. “Aos poucos você vê que as pessoas se envolvem com a ação. Já existe o despertar dessa consciência e o interesse da sociedade, da comunidade e das pessoas em participar. O que a gente buscou foi aliar o poder público junto com a comunidade em busca desse objetivo comum, que é a consciência e o trabalho efetivo de separação desses materiais, o encaminhamento para reciclagem. Isso demonstra a preocupação com meio ambiente e gera também inclusão social e geração de renda para os trabalhadores de materiais recicláveis”.

O funcionário público Nelson Eugênio Teobaldo é um dos moradores do bairro e um dos que participa ativamente da coleta seletiva. Durante toda a semana ele separa o lixo e quando chega na terça-feira já o coloca na calçada. Ele conta que a família toda ajuda, o que ele considera muito importante.

‘Seo Nelson’ espera que as pessoas do bairro ajudem ainda mais e somem forças para reunir um número maior de lixo reciclável. Ele, que sempre que anda pelas ruas ajuda a recolher o material, disse que é uma questão de conscientização individual que acaba resultando numa ação que beneficia o todo. “Agora que começamos com esse projeto não podemos deixar de participar. Se o Bosque da Saúde faz os outros bairros também podem fazer. Basta cada um fazer a sua parte.”

Já o zelador Carlito Gomes da Silva, que trabalha em um dos prédios do bairro, contou que os moradores aderiram ao projeto, o que se tornou rotina no condomínio. “Essa é uma atitude muito boa. A gente vê a quantidade de papelão, garrafas e agora o caminhão pega e dá destino certo para esse lixo”.

Sandra Gasparetto, que é membro da Associação de Moradores Pró-Bosque da Saúde, também falou da consciência das pessoas que estão participando e colaborando com o projeto. “Temos visto que as pessoas estão colaborando, usando ou não o saquinho da campanha”, disse, ao mencionar que tem visto até mesmo pessoas de outros bairros deixando material reciclável em frente aos pontos já conhecidos da coleta para serem recolhidos.

“Tenho visto também pessoas de outros bairros que não tem coleta seletiva mas que sabem que aqui às terças-feiras existe esse trabalho trazendo seu lixo para que sejam destinados à cooperativa. Muito bom ver que as pessoas já estão se engajando e já estão com essa consciência. Temos que trabalhar constantemente para que isso não pare”.

Essa ação do Juvam atende a Resolução 201, de 3 de março de 2015, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que dispõe sobre a criação e competências das unidades ou núcleos socioambientais nos órgãos e conselhos do Poder Judiciário e implantação do respectivo Plano de Logística Sustentável (PLS-PJ).

De acordo com a Resolução, os órgão do Poder Judiciário deverão adotar modelos de gestão organizacional e de processos estruturados na promoção da sustentabilidade ambiental, econômica e social.

Dentre esses modelos, segundo a Resolução, estão a coleta seletiva, onde são coletados previamente resíduos sólidos separados conforme sua constituição ou composição com destinação ambientalmente adequada e a coleta de resíduos recicláveis descartados, separados na fonte geradora, para destinação às associações e cooperativas de catadores de materiais recicláveis.

O Juvam distribui sacolas verdes para o recolhimento do lixo. Além disso, foram espalhados, pelos bairros que participam do projeto, cartazes indicativos e explicativos sobre o projeto.

Os materiais que vão ser recolhidos devem estar limpos e secos para que possam ser reutilizados. O papel, por exemplo, não pode estar molhado, sujo e nem amassado, somente pode ser dispensado rasgado ou inteiro.POR TJMT

premium

Ler Anterior

Corregedora diz que é preciso ouvir menores

Leia em seguida

Tangará da Serra seleciona estagiário

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *