• 6 de março de 2021

Juiz manda Prefeitura analisar pedido de condomínio

12/06/2015 – O juiz Rodrigo Roberto Curvo, da Vara Especializada do Meio Ambiente de Cuiabá, determinou que a Prefeitura ignore recomendação do Ministério Público Estadual (MPE) e passe a avaliar os pedidos de concessão do “Habite-se” ao Condomínio Terra Selvagem Golf Clube.

A decisão, em caráter liminar (provisório), foi proferida no dia 3 de junho. O condomínio fica localizado no Km 4 da rodovia MT-351 (Estrada do Manso).

Na ação, o empresário Teodoro Moreno, diretor da incorporadora responsável pela construção, alegou que a diretora geral de Gerenciamento Urbano do município estava a restringir a análise da emissão do “Habite-se”, em razão de uma notificação expedida pelo MPE.

A notificação, emitida pelo promotor de Justiça Gerson Barbosa, pretendia impedir novas construções ou atividades de qualquer natureza no local, por suspeitas de irregularidades

No entanto, o empresário afirmou que o empreendimento está consolidado, com área comum construída, rede de esgoto e estação compacta de tratamento própria, estação de tratamento de água,
Mary Juruna

O promotor de Justiça Gerson Barbosa, que havia emitido notificação contra o condomínio infraestrutura comum, arruamento, etc.

Segundo o empresário, foram cumpridas todas as exigências legais para a construção do imóvel, sendo que as casas construídas no empreendimento obtiveram a necessária aprovação do Município.

Requisitos preenchidos

Os argumentos do empresário foram acatados pelo juiz Rodrigo Curvo, que verificou a presença de todos os requisitos legais para atender ao pedido.

O magistrado explicou que a recomendação do MPE não deve vincular as atividades administrativas realizadas pelo Município.

“Destaca-se ainda a inexistência de informação acerca da conclusão do Inquérito Civil instaurado pelo Ministério Público Estadual por meio da Portaria n. 19/2014, hipótese que afasta a concretude das irregularidades apontadas na notificação recomendatória realizada pelo Parquet”, disse o juiz, na decisão.

Rodrigo Curvo também mencionou todo o “extenso rol” de documentos emitidos pelos órgãos licenciadores, incluindo o alvará que permitiu a construção do empreendimento.

“Não obstante, a edificação realizada, objeto dos autos, também obteve, pelo que se vê, os documentos necessários para a sua regular construção, estando pendente apenas a emissão do “habite-se”, documento necessário para a entrega do imóvel à adquirente, conforme parágrafo primeiro do contrato de contra e venda firmado (fls. 185/190)”, destacou.

Para o juiz Rodrigo Curvo, a restrição da análise do “Habite-se” causa diversos entraves para o empresário, que fica impedido de concluir a obra e de iniciar a ocupação dos imóveis.

“Diante do exposto, com fundamento no art. 7º, inciso III, da Lei n. 12.016/2009, defiro a liminar para determinar à autoridade coatora que avalie o pedido de “habite-se” do imóvel construído na rua F, lote 57, quadra 6, setor 2, do Condomínio Terra Selvagem Golfe Clube, protocolizado sob o n. 0.047.533/2014-1, conforme os parâmetros convencionais aplicáveis a esse tipo de requerimento, independentemente da restrição sugerida na notificação recomendatória n. 001/2015, promovida pelo Ministério Público Estadual”, decidiu.POR REDAÇÃO JA E MIDIAJUR.FOTO REPRODUÇÃO

premium

Ler Anterior

Plenário vota emenda que reduz idade mínima para quem quer ser deputado

Leia em seguida

Advogado denuncia suposto abuso de poder de fiscais

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *