Jecrim de VG realiza Audiência Pública hoje 24

24/06/2016 – Uma janela que se abre para 180 famílias que possuem um dependente químico em seu seio. Essa é a proposta da audiência pública que será realizada nesta sexta-feira (24 de junho), no Núcleo de Práticas Jurídicas do Centro Universitário de Várzea Grande (Univag), pelo Programa Justiça Estações Terapêuticas.

A inciativa, realizada pelo Juizado Criminal Unificado (Jecrim) de Várzea Grande, tem como objetivo ir além do tratamento exclusivo do dependente químico, amparando de forma integral a família. A audiência será dividida em duas etapas para que seja possível atender cada família individualmente, sendo uma turma às 9h e outra às 14h.

Durante este período, os grupos vão ouvir palestras de profissionais especializados sobre as consequências físicas, psicológicas, emocionais e legais causadas pela droga, bem como depoimento de dependentes químicos que já conseguiram superar o vício. Posteriormente, cada família será atendida por uma estação terapêutica formada por uma equipe multidisciplinar que vai verificar todas as necessidades da família e encontrar meios de superá-las. A Constelação Familiar, terapia do Direito Sistêmico, também será utilizada para auxiliar a resgatar os laços familiares. E, por fim, os processos judiciais serão sentenciados um a um.

“Após três anos de realização do programa e mais de cinco mil pessoas atendidas, posso afirmar que o programa é eficiente e determinante para a restauração da saúde física e mental dos dependentes químicos e da família. O indivíduo não existe só na sociedade, ele também está inserido na família e em vários outros campos e é preciso mostrar a eles que existem outras possibilidades”, esclarece a juíza do Jecrim de Várzea Grande e coordenadora do programa, Amini Haddad.

A magistrada explica que o atendimento integral é feito graças à parceria realizada com as universidades do Univag. “Todas as universidades apoiam o programa de alguma forma. Durante o atendimento são identificadas as demandas das famílias e depois elas são encaminhadas para fazer atendimentos diversos com os alunos de farmácia, medicina, odontologia, direito, entre outros. A problemática das drogas atinge toda a família e por isso é fundamental dar atenção a todos. Além disso, o juizado entende que antes de se punir o usuário, é necessário buscar a cura para ele”, salienta.

Redação JA / Por Mariana Vianna

premium

Ler Anterior

Sinop promove nova oficina de pais e filhos

Leia em seguida

Assembleia deve convocar deputados para sessão extraordinária e votar RGA dos servidores

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *