Jaciara concilia dívida de R$ 1 milhão

Graças a técnicas de conciliação, a Comarca de Jaciara (144 km ao sul de Cuiabá), por meio do Centro Judicial de Solução de Conflitos, conseguiu intermediar acordo de quase R$ 1 milhão entre a Usina Porto Seguro e 20 pequenos produtores rurais fornecedores de cana-de-açúcar.

A usina, que antes era administrada por outro grupo empresarial e se chamada Pantanal, teve dificuldades financeiras e entrou em recuperação judicial, ou seja, medida para evitar a falência. Por isso, a empresa não pagou as safras 2013/2014 e 2014/2015 correspondente a 23 toneladas compradas dos pequenos produtores. A usina foi arrematada em leilão por outro grupo empresarial.

Ao assumir as atividades da usina, tanto o grupo Porto Seguro quanto os agricultores demonstraram abertura à conciliação e bastaram duas audiências para que as partes entrassem em consenso. O valor referente à primeira safra foi dividido em quatro vezes e o montante correspondente à segunda safra foi fracionado em uma entrada e mais 15 parcelas. A empresa já pagou as primeiras parcelas.

O juiz coordenador do Centro de Conciliação, Francisco Ney Gaíva, destaca que o acordo significa muito para os pequenos produtores que haviam sofrido uma desestruturação na vida financeira. Ele observa que a economia de Jaciara depende da atividade canavieira, pois além de grande parte da população atuar neste ramo, há ainda os prestadores de serviço por trás dessa atividade.

O magistrado destaca ainda que as vantagens da conciliação são visíveis. Foi bom para os produtores de cana, que conseguiram um acordo de forma ágil e já estão com o título executivo em mãos, e para a usina, que teve economia. “Um processo judicial, por depender da atuação de vários atores, demanda custos. Por meio do centro, esses custos são reduzidos”, pontua.

O representante legal da Associação dos Fornecedores do Vale do São Lourenço (Canavale), Joel de Souza Lima, ficou satisfeito com a conciliação. “Agradeço o empenho da Justiça que brilhantemente atuou com imparcialidade e conseguiu resolver um conflito que vinha se arrastando desde março de 2014”, comemora.

Joel conta que também ficou feliz com a postura do grupo Porto Seguro, que está tentando de todas as formas adimplir as dívidas assumidas pela arrematação da usina Pantanal. “Agradeço ao representante da usina, que entendeu a nossa situação, formulou acordo e o está cumprindo na sua integralidade”, frisa.

A conciliação fez com que os trabalhadores rurais passassem a confiar na administração do novo grupo que assumiu a usina e, por isso, vão continuar fornecendo a safra da cana de 2015/2016 e o milho na entressafra. A usina já está produzindo álcool do milho, mantendo assim emprego e renda na região do Vale do São Lourenço.

O juiz Francisco avalia que “o trabalho do Cejusc foi um sucesso, o que demonstra que a cultura da pacificação social por meio da mediação e conciliação vem se difundindo na comarca”.

Mato Grosso é referência para o país na difusão da cultura da conciliação, possui mais de 28 centros de conciliação e mediação instalados, já organizou inúmeros mutirões e solucionou várias demandas processuais e pré-processuais.FONTE TJMT EDIÇÃO JORNAL ADV

premium

Ler Anterior

Congresso promulga emenda constitucional que muda ICMS do comércio eletrônico

Leia em seguida

STF rejeita omissão na regulamentação de propaganda de bebidas alcoólicas

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *