Instrutores de mediação trocam experiências no TJMT

Nesta semana teve início o curso de Curso de Aperfeiçoamento em Instrutoria nas Técnicas de Conciliação e Mediação, oferecido pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). O evento está sendo realizado na Escola dos Servidores do Poder Judiciário e reúne servidores, magistrados e voluntários que já fizeram cursos, têm grande conhecimento sobre o tema e vão trocar experiências sobre o assunto.

O “bate papo”, como os próprios instrutores intitularam o evento, é ministrado por servidores que foram capacitados pelo Conselho Nacional de Justiça e hoje pulverizam o conhecimento adquirido. Silvia Melhorança, uma das instrutoras, ressalta que este procedimento tem como intuito uniformizar as técnicas utilizadas nos Centros Judiciários. “Queremos que a linguagem utilizada em todos os lugares seja a mesma”, destacou.

A abertura do evento ficou por conta da desembargadora Clarice Claudino da Silva, vice-presidente do TJMT e presidente do Núcleo Permanente. A magistrada ressaltou que faz parte da rotina do Núcleo reciclar o conhecimento, tendo em vista que nada é estático e as mudanças estão em todos os lugares e em todos os momentos da vida. “Nós temos linguagem e posturas globais que devem ser adaptadas para cada comarca, e é nestes encontros que conseguimos traçar os melhores caminhos a serem seguidos”, ressaltou Clarice.

Dentre as pessoas que passam pelo curso está a juíza Viviane Isernhagen, de Primavera do Leste. Durante o início dos trabalhos, ela lembrou que a sentença resolve a situação, mas às vezes não deixa as partes felizes. “Com a mediação será possível entregar a prestação jurisdicional a contento para os cidadãos”, confirmou.

A capacitação, com 40 horas/aula, começou nesta segunda-feira (16 de março) e segue até a próxima sexta-feira (20).

Fotos: Adilson Cunha-TJMT

premium

Ler Anterior

Manifesto pede que exame da OAB não seja extinto

Leia em seguida

A Lei Federal nº 12.873/2013 e os seus reflexos na atividade notarial e registral

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *