Inaugurado novo espaço do Centro de Solução de Conflitos e Cidadania de Várzea Grande (Cejusc-VG).

24/03/2015 – “A justiça está dando prova concreta de que está comprometida em solucionar conflitos da sociedade”. Com essas palavras o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), desembargador Paulo da Cunha, juntamente com demais autoridades, inaugurou na manhã desta segunda-feira (23 de março) o novo espaço do Centro de Solução de Conflitos e Cidadania de Várzea Grande (Cejusc-VG).

Situado no Fórum da Comarca da cidade, a nova estrutura vai melhorar o serviço prestado à população na realização de audiências e mutirões de conciliação e dar maior celeridade no andamento das ações.

Esse é o 30º Centro de Solução de Conflito espalhado pelo Estado. Número este que supera a meta do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no que diz respeito ao número de Cejuscs por estado. O Centro funcionava numa das salas da Univag. Esta sala, agora funcionando como câmara, passará a ser uma extensão do Cejusc e dará continuidade no atendimento das demandas.

O juiz coordenador do Centro, Luis Otávio Pereira Marques, ressaltou que a administração do Tribunal, em especial o Núcleo de Soluções de Conflitos, não mediram esforços para inaugurar a sede própria do Cejusc no Fórum de Várzea Grande. “Só temos que agradecer. Um espaço com muita importância aos munícipes que nos procuram para ajudar a mediar seus conflitos. Estamos aqui não apenas para a solução de conflitos, mas também para oferecer orientação jurídica àqueles que precisarem. Aos poucos estamos conseguindo propagar o espírito conciliador na comunidade de Várzea Grande. Esse é o caminho mais curto para a paz social”.

Para a desembargadora Clarice Claudino da Silva, vice-presidente do TJ e presidente do Núcleo de Soluções de Conflito do Judiciário, “esse é um momento de renovada alegria por disponibilizar mais uma porta para a população resolver conflitos. Agradecemos o esforço de todos que colaboraram para este momento”.

A desembargadora falou da necessidade desse serviço oferecido à população como forma de reflexão. Para ela é uma mudança de cultura, já que no Brasil estamos acostumados com o litígio. “Precisamos caminhar para o diálogo. Algo precisa ser modificado, mas da forma correta. Esses Centros vêm como uma consequência a médio prazo para fazer o saneamento, tendo a possibilidade de abrigar os litígios e os processos que ainda não foram judicializados. O diálogo vale a pena”, ressaltou.

Clarice Claudino falou ainda sobre as mais de 600 pessoas que foram capacitadas para realizarem audiências de conciliação, numa ação de construção da paz social. “Queremos, com isso, trabalhar de forma célere, séria e satisfatória para a comunidade”.

O prefeito do município, Wallace Guimarães, agradeceu e parabenizou o judiciário em nome do povo várzea-grandense com a inauguração. Para ele essa estrutura busca o entendimento entre as partes. “Essa é a melhor forma de resolver o conflito, através do diálogo”.

A importância da pacificação por meio da solução de conflito foi um dos pontos abordados pela presidente da subseção da Ordem dos Advogados de Várzea Grande, Flávia Moretti. Segundo ela, a Ordem tem a preocupação de esclarecer aos advogados que a solução de conflito é muito mais viável. “A Ordem tem incentivado os advogados para fazerem a mediação dentro do núcleo para justamente evitar as demandas judiciais. Um bom acordo é bem melhor do que uma longa demanda”.

Logo após o descerramento da placa, foram assinados termos de parceria entre o Centro Universitário de Várzea Grande (Univag) e a empresa privada Multitubos Materiais Para Construção. Ambas as empresas possuem um quadro de devedores e antes de ajuizarem eventual ação cobrando esse crédito, a Vara ofereceu a parceria no sentido de buscar uma conciliação sobre esses créditos, evitando assim um congestionamento maior no judiciário.

O horário de atendimento Centro de Solução de Conflitos e Cidadania de Várzea Grande é de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h.POR TJMT

premium

Ler Anterior

Seccional pede permanência de juiz em Rondonópolis

Leia em seguida

Fórum sedia mutirão de violência doméstica

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *