Gratuidade de justiça se estende a advogado que discute honorários

29/07/2016 – “Apesar de os honorários advocatícios constituírem direito autônomo do advogado, não se exclui da parte a legitimidade concorrente para discuti-los, não ocorrendo deserção se ela litiga sob o pálio da gratuidade da justiça.”

Entendimento foi reafirmado pela 2ª turma do STJ ao dar provimento a REsp para declarar a desnecessidade de recolhimento de preparo, em recurso que discutia apenas a reforma dos honorários advocatícios.

O recurso foi interposto contra decisão do TJ/SP, que determinou o recolhimento de preparo. A Corte paulista considerou que, apesar de ter sido concedida a gratuidade de justiça à parte, esse benefício não se estende ao advogado, por se tratar de interesse exclusivo do patrono.

No STJ, entretanto, a desembargadora convocada Diva Malerbi, relatora, votou pela reforma do acórdão. Segundo ela, a decisão do tribunal de origem vai contra a jurisprudência da corte.

A relatora foi acompanhada por unanimidade.

 

premium

Ler Anterior

Dilma apresenta alegações finais em processo de impeachment

Leia em seguida

Atuação de juiz não está restrita a fundamentos indicados pelas partes

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *