Ex-governador diz que não teme ser preso e não fugirá do país

05/03/2015 – O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) afirmou que não teme ser preso e que não fugirá do país, no que seria uma suposta tentativa de escapar de eventuais ações judiciais.

“Essa história de que estou de malas prontas para outro país é pura maldade. Nunca cogitei de sair do Estado. Sempre falei que estou ou aqui em Cuiabá ou em Matupá [680 km ao Norte de Cuiabá, base eleitoral do ex-governador]. Não temo ser preso. Tenho minha consciência muito tranquila”, disse ele.

As declarações foram dadas pelo ex-governador durante visita a Assembleia Legislativa, na terça-feira (3).
“Essa história de que estou de malas prontas para outro país é pura maldade. Nunca cogitei de sair do Estado. Sempre falei que estou ou aqui em Cuiabá ou em Matupá. Não temo ser preso. Tenho minha consciência muito tranquila”
O peemedebista acumula pelo menos cinco frentes de ações em andamento na Justiça.

Em janeiro passado, por exemplo, ele teve decretado pelo juiz plantonista da Vara de Ação Civil e Ação Popular, Luis Fernando Voto Kirche, o bloqueio de seus bens, no montante de R$ 12 milhões, por suspeita de improbidade administrativa.

O valor supostamente teria sido desviado do Estado para o pagamento de precatórios indevidos.

As acusações são relativas aos fatos derivados da Operação Ararath, da qual Silval também aparece como um dos réus.

A operação deflagrada pela Polícia Federal apura a ocorrência de crimes contra o sistema financeiro e de lavagem de dinheiro.

Além disso, em outubro do ano passado, a Justiça concedeu liminar autorizando o bloqueio das contas bancárias e aplicações financeiras do então governador.

À época, foi determinada a indisponibilidade de bens de Silval e de outros requeridos até o limite do crédito de R$ 73.563,484,77.

A ordem judicial atendeu a uma solicitação do Ministério Público Estadual (MPE), que aponta a criação fictícia de crédito tributário visando a beneficiar o grupo JBS Friboi, e instaurou Ação Civil Pública por improbidade administrativa.

O ex-governador se disse “muito tranquilo” quanto às acusações e afirmou que está se defendendo juridicamente de todas elas.

Irregularidades no VLT

Durante a visita à Assembleia, Silval – que é alvo de denúncias de um suposto esquema de desvio de dinheiro público na implantação do VLT – negou superfaturamento na execução da obra, que já consumiu mais de R$ 1 bilhão, dos R$ 1,4 bilhões previstos.

“Não tem um centavo desviado nessa obra. Foram realizadas auditorias mês a mês e nenhuma delas apontou desvios de recursos”, afirmou ele.

O ex-governador disse que a execução dos trabalhos foi auditada e fiscalizada pelo Tribunal de Contas do Estado, pela Caixa Econômica Federal e pela empresa gerenciadora da obra, o que, segundo ele, atesta a lisura das medições e dos pagamentos.

“Nenhum item que não estava adequado à obra não foi pago. Tanto que as medições são atestadas pela gerenciadora. Se a gerenciadora apontava defeito ou má qualidade, não era pago”, disse.

“Não quero ser uma assombração, ficar por aí e por ali dizendo que estou sendo injustiçado, nem me fazer de vítima. Tenho consciência tranquila. Não foi roubado nada, ninguém desviou nada”, completou.

POR CAMILA RIBEIRO
DO MIDIANEWS

premium

Ler Anterior

Homossexual tem direito a pensão alimentícia de ex-companheiro

Leia em seguida

Energia elétrica e telefonia não podem ter alíquota maior de ICMS, diz PGR

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *