• 27 de fevereiro de 2021

Espaço Memória do Judiciário possui rico acervo

O Espaço Memória possui um acervo que preserva a história do Poder Judiciário Mato-grossense para as futuras gerações. Uma das relíquias é uma máquina de datilografia de 1830. Há ainda um Habeas Corpus concedido a uma escrava que havia sido alforriada quase 20 anos antes e ainda vivia em regime de escravidão.

Lá é possível contemplar cédulas emitidas em 1900 no valor de 500 mil réis. Elas são falsificadas e foram anexadas a um processo que tramitou na época para apurar as responsabilidades pelo crime de falsificação. Descobriu-se que as notas circularam pelo país seis anos antes da fraude ser descoberta e que elas não foram confeccionadas em território brasileiro. Naquela época não existia máquina no país para a fabricação das cédulas.

No museu do Tribunal de Justiça você vai encontrar ainda a 1ª edição do Código Civil Brasileiro e a linha do tempo das sedes do Tribunal retratadas em fotos e desenhos em crayon. A primeira sede do TJMT foi na antiga Rua 1º de Julho e atual Pedro Celestino. A segunda foi na Rua de Cima, também atual Pedro Celestino. A terceira foi na rua Barão de Melgaço, onde hoje está a Caixa Econômica Federal.

A quarta sede foi na avenida Getúlio Vargas no prédio que já abrigou a Assembleia Legislativa e onde hoje funciona o Juizado Especial Criminal Unificado de Cuiabá (Jecrim). Você vai ver ainda como era a quinta e atual sede quando foi construída no centro político. Anos depois da construção original foram inaugurados os plenários e a ala nova.

O servidor Antonio Cegati, responsável pelo Espaço, explica que as visitações em grupo precisam ser agendadas, porque precisam de acompanhamento de um guia. Se o grupo for de estudantes universitários, o tour deve ser marcado junto ao departamento de Cerimonial nos telefones (65) 3617-3171 / 3202. Se for de estudantes do ensino básico deve ser programadas junto ao responsável pelo Memorial no telefone (65) 3617-3516 ou e-mail: memorial.judiciario@tjmt.jus.br

Doações – O espaço também aceota doações de fotos, vídeos e objetos antigos que na época estavam relacionados ao dia-a-dia dos magistrados. Eles podem ser entregues diretamente no Espaço Memória, localizado na antiga sala da presidência do TJMT.

premium

Ler Anterior

Réu tem direito a todas informações produzidas no inquérito policial

Leia em seguida

Portaria estipula horário para Oficiais de Justiça

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *