Diretoria da OABMT buscará apoio para reconhecimento de advogados públicos no Estado

08/06/2015 – O presidente da OABMT, Mauricio Aude, se comprometeu em encaminhar aos parlamentares e ao Conselho Federal da OAB nacional os pleitos dos advogados públicos do Estado para buscar a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional nº 39/2012, em trâmite no Senado Federal, e da PEC nº 373/2013, em trâmite na Câmara dos Deputados, entre outros. Ele se reuniu com representantes da categoria nesta quarta-feira (3 de junho) no Plenário Mário Cardi Filho.
http://www.senado.leg.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=106510
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=604776

O conselheiro estadual da Seccional e presidente da Associação da categoria, Heitor Correa da Rocha, e a representante da Associação Brasileira de Advogados Públicos em Mato Grosso, Romélia Ribeiro Peron, falaram da tramitação das propostas e das dificuldades em mobilizar os parlamentares em prol da demanda deles. Explicaram que a PEC que tramita na Câmara Federal foi colocada em votação esta semana, porém, dois deputados federais pediram vistas e foi retirada de pauta.

Maurício Aude pediu que encaminhassem à diretoria toda documentação fundamentada para que a OABMT entre em contato com todos os parlamentares para buscar apoio aos advogados públicos.

Outra preocupação apresentada por Heitor Correa e demais foi quanto à reforma administrativa do Governo Estadual que publicou o artigo 18 da Lei Complementar nº 566/2015 (Reforma da Administração Pública) dando competência exclusiva aos procuradores do Estado de exercer a função de assessoria e consultoria jurídica na administração estadual.

“Fazemos parecer em diversos tipos de processos, como aposentadorias, movimentação de gestão de pessoas, entre outros; e sabemos que a Procuradoria-Geral do Estado não tem estrutura para atender toda a demanda. Queremos ser reconhecidos como advogados públicos já que o concurso exigiu a carteira da Ordem para atuar”, pontuaram.

O presidente da OABMT se comprometeu em encaminhar as questões às Comissões de Advogados Públicos da Seccional, de Prerrogativas da OAB nacional, além da Comissão de Estudos Constitucionais para colaborar com a luta. Maurício Aude lembrou que desde a gestão passada vem contribuindo com a resolução das demandas da advocacia pública como ocorreu no caso dos Técnicos da Área Instrumental do Governo (Taigs), ocasião em que a Comissão de Estudos Constitucionais emitiu parecer prévio acerca do Projeto de Lei do Analista Jurídico e Assessoria Jurídica realizada por advogados que não integram a Procuradoria Geral e que chegou à conclusão de que “não é inconstitucional a existência de consultores e assessores jurídicos (…)”.FONTE OAB/MT

premium

Ler Anterior

Assistentes sociais querem cumprimento de lei federal no serviço público municipal de Cuiabá

Leia em seguida

Controle de nematoides conta com o auxílio de cultivares resistentes e tolerantes

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *