• 27 de fevereiro de 2021

Diretor do Modelo “lavou” dinheiro para Riva, diz MPF

29/03/2015- O empresário Altevir Pierozan Magalhães, diretor-presidente do Supermercado Modelo Ltda (que faliu no ano passado), é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ter lavado o montante de R$ 1,45 milhão para beneficiar o ex-deputado estadual José Geraldo Riva, durante o esquema investigado na Operação Ararath.

Pelo suposto crime, o empresário responde a ação penal no âmbito da Justiça Federal, juntamente com os empresários Avilmar de Araújo Costa, Altair Baggio, Guilherme Lomba de Mello Assumpção e a ex-secretária de Estado Janete Gomes Riva.

Conforme a denúncia, a empresa Comercial Amazônia de Petroléo, que pertence ao empresário Júnior Mendonça (delator do esquema), realizou empréstimo de R$ 3 milhões junto ao Bic Banco, que, deduzidas as taxas, ficou em R$ 2,97 milhões.

O empréstimo foi feito, segundo depoimento do próprio Júnior Mendonça ao MPF, a pedido do então deputado José Riva, que precisava do montante para atender necessidades financeiras.

No esquema, ficou definido que o montante chegaria a Riva por meio de transferência de recursos a três empresas escolhidas pelo parlamentar, entre elas o Supermercado Modelo.

Em sua delação, Júnior Mendonça afirmou que no mesmo dia em que recebeu o empréstimo do Bic Banco – 25 de fevereiro de 2011 – transferiu R$ 1,45 milhão ao supermercado, sendo que o restante dos valores foi transferido às outras duas empresas dias depois.

O fato foi evidenciado pelo MPF com os dados obtidos com a quebra de sigilo bancário.

Empréstimo questionado

Ao MPF, o empresário Altevir Magalhães disse que o valor transferido pela Comercial Amazônia de Petroléo ao Modelo era fruto de um empréstimo realizado, mas que ele não tinha conhecimento da transação.

O diretor do Modelo também declarou que não fazia negócios e nem possuía amizade com o então deputado José Riva, sendo que o valor recebido teria sido usado para pagar despesas do supermercado.

A versão do empresário não convenceu o MPF, que tachou as declarações de “evasivas e genéricas”, pois não houve a explicação da motivação e dos detalhes do citado “empréstimo”.

Além disso, o órgão reiterou que o Conselho de Controle de Atividade Financeiras (COAF) identificou transações financeiras entre o Modelo e o ex-secretário de Estado Eder Moraes, este último considerado um dos articuladores do esquema.

Outro indício da proximidade de Altevir Magalhães e José Riva, conforme narrou o MPF, é o fato de o então parlamentar ter participado – e defendido – questões de interesse da ASMAT – Associação de
Supermercados de Mato Grosso, cujo vice-presidente é o diretor do Modelo.

“Durante a premiação dos melhores supermercados e fornecedores de 2011, realizado pela ASMAT – Associação de Supermercadistas de Mato Grosso, José Geraldo Riva lá estava para entregar o prêmio a rede Supermercado Modelo”, diz trecho da denúncia.

Para o MPF, as evidências mostram que a transação entre a empresa de Júnior Mendonça e o Supermercado Modelo tinham a “finalidade única e exclusiva de movimentar os recursos obtidos mediante tais empréstimos simulados e fictícios”.

“Assim, claramente Altevir Pierozan Magalhães praticou o crime de lavagem de dinheiro ao compactuar com o recebimento de valores ilícitos através da Comercial Amazônia de Petróleo, uma vez que buscou evitar a exposição do verdadeiro destinatário dos recursos (José Geraldo Riva), estando claro que a transferência de valores tinha por objetivo ocultar e dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação e propriedade de valores provenientes de infração penal (art. 1º da Lei nº 9.613/98), tendo por crimes antecedentes dos artigos 4º e 16 da Lei nº7.492/86”, disse o MPF.

POR LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO MIDIAJUR

premium

Ler Anterior

Prazo para União pedir ressarcimento de contribuições previdenciárias é de 10 anos

Leia em seguida

Data Vênia Devolução de R$ 20 milhões não é pedagógica

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *