• 6 de março de 2021

DIPLOMAS: Com novos projeto e audiência Wagner reabrirá caso Mercosul

03/04/2015- Segundo o deputado, essa será mais uma etapa do seu trabalho após a derrubada – pelo Supremo Tribunal Federal – da Lei Estadual 10.011

Pouco mais de um ano após garantir que o sonho do diploma do Mercosul não tinha acabado, o deputado Wagner Ramos (PR) vai apresentar novo projeto de lei e pedir a realização de audiência pública. A iniciativa reacende, em Mato Grosso, a esperança de centenas de profissionais com graduação e pós-graduação realizadas no exterior mas com situação ainda indefinida.

O novo projeto admite os diplomas de pós-graduação obtidos na modalidade presencial, no país-sede da universidade estrangeira, e concluídos nos países do Mercosul – o Mercado Comum do Sul. Ainda de acordo com o documento, os títulos de mestrado e doutorado só serão aceitos se atenderem os dispostos na Constituição brasileira, em Decreto Legislativo Federal e em Decreto presidencial.

Para o presidente da Associação Nacional dos Pós-Graduados em Instituições Estrangeiras de Ensino Superior, professor Vicente Celestino de França, a maioria dos parlamentares federais é sensível e incentiva esse modelo para formação de docentes brasileiros. “O Brasil não dá conta da demanda e nossa academia ainda faz – do Mestrado e do Doutorado – opção para poucos nas universidades governamentais”, disse o professor.

Segundo Wagner Ramos, essa será mais uma etapa do trabalho dele, após a derrubada, pelo Supremo Tribunal Federal, da Lei Estadual nº 10.011 (17.12.2013). “Esse tema envolve uma necessidade cada vez maior da busca de melhores condições para ampliação e transmissão dos conhecimentos acadêmicos em todas as esferas, em Mato Grosso”, salientou o parlamentar republicano.

A Lei nº 10.011 teve origem no Projeto de Lei nº 478/2011, de Wagner Ramos, subscrito pelos deputados Percival Muniz (PPS) e Ezequiel Fonseca (PP). O projeto foi aprovado na Assembleia e vetado pelo então governador Silval Barbosa. No retorno ao Legislativo, o veto foi derrubado e o governo recorreu ao STF. Naquela instância, uma medida cautelar foi concedida em forma de liminar pelo ministro Dias Toffoli.

premium

Ler Anterior

Lucas do Rio Verde completa 17 anos

Leia em seguida

Telefones do Terceiro Juizado estão funcionando

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *