• 7 de março de 2021

Desembargadoras compõem Comissão de Adoção

As desembargadoras Maria Aparecida Ribeiro e Cleuci Terezinha Chagas foram aclamadas pelo Tribunal Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso como membros da Comissão Estadual Judiciária de Adoção de Mato Grosso (Ceja) para o biênio 2015/2016. O setor integra a Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ) e dentre suas atribuições está gerenciar os cadastros de adoção em todo o Estado; coordenar as adoções internacionais e fiscalizar as casas de acolhimento para crianças e adolescentes em Mato Grosso.

As magistradas irão compor o conselho juntamente com a corregedora-geral da Justiça, desembargadora Maria Erotides Kneip. Segundo a corregedora, é necessário ter perfil para atuar na causa e, por isso, a escolha foi muito boa, pois as duas magistradas são muito engajadas. “Criança é sempre prioridade, pois além de ser norma constitucional, é também questão de bom senso e de humanidade. Nestes dois próximos anos em que estaremos à frente da CGJ (2015-2016), pretendemos atuar fortemente nesta frente”, explica.

Erotides acrescentou ainda que a desembargadora Cleuci atuou como juíza na Vara da Infância e Juventude de Cuiabá por pelo menos 11 anos e até hoje é lembrada quando o assunto é criança em situação de risco. Já a desembargadora Maria Aparecida é uma figura atuante nas causas que envolvem violência contra a mulher e também contra as crianças desde quando era juíza e atuava em varas cíveis, especificamente de família.

“Para mim é motivo de grande satisfação voltar para uma área que amo, me identifico e sempre me dediquei. Fui eleita pelos pares e estou pronta para mais uma vez atuar na defesa das crianças que estão em situação de risco no Estado”, afirma Cleuci, que também foi nomeada para assumir a Coordenadoria de Infância e Juventude do Estado.

A desembargadora Maria Aparecida Ribeiro também declarou sua satisfação por integrar a comissão da Ceja e se lembrou de sua trajetória como juíza. “Grande parte do tempo que fui magistrada estive à frente de varas de família, lidando com contendas envolvendo casais e crianças. Hoje tive meu nome aprovado à unanimidade pelos demais membros e espero corresponder à altura”, destaca.

A eleição foi na última quinta-feira (19 de fevereiro) durante sessão ordinária administrativa do Tribunal Pleno.

Dados – De acordo com a Ceja, atualmente no Estado há 604 pretendentes à adoção e 66 crianças aptas para serem adotadas, sendo 35 meninos e 31 meninas. Ainda existem 777 crianças e adolescentes acolhidos em 76 instituições.

Keila Maressa -TJMT

premium

Ler Anterior

Interessados têm até sexta para se candidatar a dirigentes de subseções da OABMT

Leia em seguida

Carta do OABMT Mulher Jaciara decide requerer assento em conselho municipal

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *