• 1 de março de 2021

Demissão em massa não gera dano moral coletivo, decide TST

05/06/2015- Demissões em massa não violam interesse extrapatrimonial da coletividade, e por isso não é possível requisitar dano moral coletivo nesse tipo de caso. A decisão é da 8ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho ao excluir o dano moral de sentença que condenou uma empesa e o Banco do Brasil pela dispensa de cerca de mil empregados de serviços gerais, sem a quitação das verbas rescisórias.

A Conservar, empresa que presta serviços terceirizados para o BB, rescindiu unilateralmente os seus contratos de atividades em Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo e dispensou os empregados, pagando apenas parte das verbas rescisórias. A companhia alegou problemas de fluxo de caixa.

Devido à atitude da Conservar, os sindicatos da categoria profissional em Belo Horizonte e a instituição financeira pediram a mediação do Ministério Público do Trabalho para a quitação das verbas, mas a empresa descumpriu o acordo. Com isso, o MPT acionou as empresas na Justiça pedindo o bloqueio dos valores devidos pelo BB à Conservar como garantia aos empregados, a responsabilização subsidiária do banco, indenização por danos morais individuais de R$ 10 mil por empregado e coletivo, de R$ 1 milhão.

Em primeira instância, a ação foi julgada pela 24ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, porque a capital mineira concentrou o maior número de trabalhadores lesados — mais de 800. A corte local condenou as duas empresas a pagar as verbas devidas e indenização por dano moral coletivo em R$ 100 mil. A compensação indenizatória deveria ser revertida a organizações não-governamentais indicadas pelo MPT ou ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O BB apelou da decisão, alegando sua ilegitimidade para figurar na ação e informando ter acionado seguro para garantir os pagamentos. O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-3) manteve a condenação quanto às rescisões, mas excluiu a indenização por dano moral coletivo, pela inexistência de norma que proíba a dispensa em massa.

A decisão do TRT-3 fez com que o MPT entrasse com recurso, insistindo na tese de que não era aceitável a conduta da empresa. Segundo a relatora do caso, ministra Dora Maria da Costa, não se comprovou nenhuma situação objetiva que demonstrasse a violação de interesses extrapatrimoniais da coletividade. “Não há nenhum elemento que autorize o reconhecimento de que a coletividade de trabalhadores tenha sido abalada em seus valores morais”, concluiu.

Mesmo assim, o MPT apr embargos à Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1). O recurso ainda não foi examinado. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

premium

Ler Anterior

Má prestação de serviços públicos permite intervenção do Judiciário

Leia em seguida

Lei da Mediação derruba restrições fixadas pelo CPC a advogados

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *