• 5 de março de 2021

Conciliação resolve conflito entre 14 herdeiros

Em apenas quatro horas, 14 irmãos, genros e noras, conseguiram, graças à conciliação e à mediação, colocar fim a uma briga por herança que já durava seis anos e poderia se arrastar por mais uma década na Comarca de Aripuanã (1.002 km a Noroeste de Cuiabá). A disputa por cinco lotes de terras e cerca de 700 cabeças de gado, avaliados em R$ 5 milhões, já havia gerado três ações judiciais e arruinado a relação familiar a tal ponto que não restava qualquer esperança de restauração da paz.

 

O conflito começou quando a matriarca da família faleceu, em 2009, e se agravou após a morte do patriarca, em 2014. A queda de braço entre os 14 herdeiros envolveu mais três advogados. Diante da guerra entre os irmãos que parecia não ter mais fim, o juiz Fabrício Sávio da Veiga Carlota, titular da Vara Única da comarca, resolveu tentar a conciliação que se quer é prevista em processos de inventário.

 

“A média de tramitação de um processo desses é de 10 a 14 anos, o patrimônio vai se dilapidando e a família se desestruturando. Nesse caso, os bois já estavam morrendo, enquanto dois irmãos brigavam para ser o inventariante e administrar todo o patrimônio”, frisa o juiz.

 

O magistrado conseguiu reunir em uma única audiência, irmãos que vieram de vários estados da federação, entre eles Paraná e Santa Catarina, de inúmeros municípios de Mato Grosso como Juína, e até mesmo de fora do país, para discutir como seria a partilha.

 

No início da audiência, as mágoas eram muitas e dificultaram a negociação, mas utilizando as técnicas de conciliação o magistrado conseguiu conscientizar e sensibilizar as partes para que cada um cedesse uma parte. Aos poucos o rancor foi dando espaço à alegria, ao choro de emoção e aos abraços. Os irmãos testemunharam que de agora em diante, todos voltarão a viver em harmonia.

 

“Foi surpreendente a resolução do caso. Está provado que a conciliação é a melhor saída para determinados conflitos. Fiquei impressionado de ver que todos vieram para a audiência, apesar de já serem pessoas de idade e da cidade ser de difícil acesso”, comemorou o magistrado. Por TJMT

 

premium

Ler Anterior

Trabalhadores do HUJM confirmam paralisação para esta quarta-feira (17)

Leia em seguida

Escritórios de advocacia não são sociedades empresárias, decide STJ

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *