Combate a corrupção é tema da ‘Conversa com Janot’ na sede da PGJ

09/11/2017 – O subprocurador-geral da República Rodrigo Janot participou na tarde desta quarta-feira (08) de uma conversa sobre o combate a corrupção, na sede da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ). O evento foi realizado pela Associação Mato-Grossense do Ministério Público (AMMP) e Rede de Controle da Gestão Pública de Mato Grosso, com o apoio da PGJ.

Janot, que no cargo de Procurador-geral da República (2013/2017), esteve à frente da maior investigação criminal do país contra corrupção, respondeu as perguntas formuladas pelo público. Entre os principais assuntos abordados, a Operação Lava Jato que, sob a condução de Janot, levou a abertura de 137 investigações em andamento no Supremo Tribunal Federal.

“É motivo de muito honra e alegria a gente receber hoje no Ministério Público do Estado o doutor Rodrigo Janot, que tem uma folha extensa de serviços prestados à sociedade brasileira. É um prazer poder ouvir um pouco das experiências que ele vivenciou à frente da PGR enquanto trabalhava para passar este país a limpo”, destacou Mauro Curvo.

O presidente da AMMP Roberto Aparecido Turin agradeceu a presença de Rodrigo Janot e destacou que, apesar de todas as dificuldades, das reações contrárias e de uma aparente apatia de parte da sociedade, o Brasil de hoje não é o mesmo Brasil de cinco ou dez anos atrás. “Nós evoluímos, nós estamos evoluindo. Sabemos que as dificuldades no combate a corrupção são inúmeras e que a tarefa não é fácil e nem simples. O próprio Rodrigo Janot já citou que existem duas maneiras de fazer isso: por meio de uma revolução sangrenta ou por meio de uma revolução institucional, que é justamente cada instituição cumprir o papel que a Constituição lhe reserva”.

O subprocurador-geral da República Rodrigo Janot chamou a atenção sobre o momento pelo qual o país atravessa. “Não vamos tampar o sol com a peneira. O Brasil passa por uma crise terrível e profunda. O primeiro passo para mudar este quadro é o país fazer uma reforma política ampla”, destacou.

Para ele, o combate a corrupção só será efetivo no país se o sistema de Justiça como um todo tiver autonomia e independência. “Tem que ter independência, mas independência de forma real, concreta”.
Ele acredita que quanto mais se incrementa o processo de corrupção, mais comprometida é a democracia no país. “Nós temos que enfrentar esta questão. Nós não podemos permitir que o país recue neste caminho que já foi percorrido. A aposta é que nós devemos melhorar o país, não para nós, mas para as futuras gerações”.

Rodrigo Janot encerrou sua fala citando uma frase do empresário Henry Ford, para ilustrar como deve ser a postura dos órgãos de controle no combate a corrupção. “Tem horas que a gente desanima, tem horas que você não vê o resultado do trabalho, mas essa frase diz muito bem como deve ser a atuação nossa: ‘Existem muito mais pessoas que desistem, do que pessoas que falham’. O convite que eu faço a vocês é falhar e não desistir”.

Por; Janã Pinheiro

premium

Ler Anterior

Ministério Público aciona município de Várzea Grande por casos de nepotismo

Leia em seguida

Pleno do TJ adia julgamentos que podem afastar Selma e aposentar juiz acusado de fraude

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *