CNJ não pode rever conclusão de processo administrativo de tribunal, diz STF

09/11/2017 – O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, reconsiderou sua decisão e anulou a instauração de um processo administrativo disciplinar pelo Conselho Nacional de Justiça para apurar a ocorrência de faltas funcionais atribuídas a uma desembargadora do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Ao decidir sobre o caso, CNJ agiu como verdadeiro juízo recursal, diz Gilmar.
Nelson Jr./SCO/STF

O ministro, em maio deste ano, havia negado seguimento ao mandado de segurança, por entender que não houve qualquer ilegalidade no ato do CNJ e que a abertura de processo administrativo disciplinar exige apenas indícios mínimos quanto ao ato ilícito e sua autoria.

A desembargadora interpôs agravo regimental contra esta decisão. Na peça, alega que o relator não enfrentou a alegação de que o CNJ, ao acolher o pedido de revisão disciplinar, teria realizado, na verdade, juízo recursal e não revisional, violando a Constituição e o próprio regimento interno do conselho.

Ao revisitar a questão, o ministro Gilmar Mendes destacou que o TRF-1, em processo interno, concluiu que a desembargadora não havia cometido as supostas faltas funcionais. “Assim, observa-se que a decisão do CNJ reconhece a análise dos fatos exercida pelo TRF-1, mas diverge quanto à forma e a dimensão de sua apreciação jurídica, configurando verdadeiro juízo recursal, hipótese não admitida no âmbito da revisão disciplinar”, julgou.

O relator observou, por fim, que o CNJ, em casos semelhantes, tem definido a impossibilidade da utilização da revisão disciplinar como sucedâneo recursal. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

MS 30072

premium

Ler Anterior

Não há sucumbência por perda de objeto causada por mudança na lei

Leia em seguida

Tribunal Regional do Trabalho da 23″ Região,suspende prazos nos dias 13 e 14 de novembro de 2017,

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *