Candidatos à Prefeitura de Cuiabá participam de debate na OAB-MT nesta terça

13/09/2016 – A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) promove nesta terça-feira (13 de setembro) debate entre os seis candidatos à Prefeitura de Cuiabá.

A iniciativa é fruto da campanha “Voto não tem preço, tem consequência”, lançada pela OAB-MT — junto com o aplicativo “Eleitor Fiscal” – em 25 de agosto. O Eleitor Fiscal permite o sigilo em denúncias sobre o pleito eleitoral.

O debate acontecerá na sede da OAB-MT, no Centro Político Administrativo, a partir das 20h e será transmitido em tempo real pela TV AL, Rádio Assembleia (89,5 FM) e Rádio Capital FM (101,9 FM) em parceria firmada com a OAB-MT.

Os candidatos que disputam o Palácio Alencastro, Emanuel Pinheiro (PMDB), Julier Sebastião da Silva (PDT), Mauro César Lara de Barros (PSOL), Renato Santtana (Rede), Serys Slhessarenko (PRB) e Wilson Santos (PSDB) confirmaram presença no debate.

A ideia é apresentar as propostas de campanha e debater os problemas de Cuiabá com a comunidade jurídica (advogados, estagiários e estudantes de Direito).

O presidente da OAB-MT, Leonardo Campos, destaca a importância do debate e enfatiza a participação do público.

É a partir das eleições que o cidadão comum, afirma o presidente, tem a oportunidade de decidir o futuro do país, Estado e município. “Por isso a importância de se participar do processo eleitoral ativamente e a OABMT está sempre à frente dessas iniciativas”, disse Leonardo.

PARTICIPAÇÃO – Nesta terça-feira os participantes devem chegar à sede da OAB-MT a partir das 19h e se inscreverem para fazer perguntas. Às 19h45 haverá o sorteio de seis nomes que terão o direito de fazer a pergunta diretamente a um dos candidatos.

O presidente da OAB-MT também fará uma pergunta que será respondida por todos os candidatos à prefeitura de Cuiabá. O debate se iniciará às 20h e terá quatro blocos.

premium

Ler Anterior

Taques pede a presidente do STF vontade política para solução de problemas

Leia em seguida

Aben defende que a energia nuclear volte à pauta política do Brasil

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *