Batista tem à frente a espinhosa missão de colocar em dia os repasses atrasados dos consórcios intermunicipais de saúde

11/08/2016 – “Se não tiver autonomia, melhor já sair fora”. Esse foi o conselho do deputado estadual Zeca Viana (PDT) ao seu correligionário João Batista Pereira da Silva (PDT), recém-empossado secretário de Estado de Saúde. A afirmação foi feita durante discurso na tribuna da Assembleia Legislativa, na manhã desta quarta-feira (10).

“Se ele tiver autonomia dentro da Secretaria, ele tem condição de fazer um bom trabalho. Agora, se não tiver, ele precisa com poucos dias já sair fora, para não manchar sua história de vida, e o trabalho que fez ali na região de Nova Mutum”, disse Zeca.

João Batista é vice-presidente do diretório estadual do Partido Democrático Trabalhista (PDT) em Mato Grosso, que é liderado pelo deputado Zeca Viana.

Mesmo com o aconselhamento, o deputado Zeca Viana demonstrou confiança na capacidade de João Batista para tocar uma das pastas mais delicadas da gestão estadual.

Batista tem vasta experiência na área e já atuou por dez anos à frente da Secretaria Municipal de Saúde de Nova Mutum, onde fez um trabalho com foco na atenção básica.

“Não tenho dúvida que se o governador der espaço para ele trabalhar e der autonomia ele vai fazer com que nossa saúde se transforme numa saúde digna a todos os usuários”, afirmou Viana.

Batista tem à frente a espinhosa missão de colocar em dia os repasses atrasados dos consórcios intermunicipais de saúde, dos hospitais regionais e da rede de hospitais filantrópicos de Mato Grosso. Inclusive, o atraso no repasse aos hospitais filantrópicos já é alvo de uma investigação do Ministério Público Estadual (MPE).

Outro desafio que João Batista terá que enfrentar é a melhoria na qualidade dos serviços médicos prestados em toda rede estadual de saúde, sobretudo pela falta de recursos para salários e aquisição de equipamentos médicos essenciais.

premium

Ler Anterior

Zeca Viana propõe chapa para Mesa da ALMT e critica falta de independência do legislativo

Leia em seguida

Maluf defende ampliação do debate sobre duodécimo dos Poderes

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *