Após denúncia de Zeca Viana, MPE investiga contrato de R$ 41 milhões do governo do Estado

03/08/2016 – Atendendo a uma denúncia protocolada pelo deputado estadual Zeca Viana (PDT) em março, o Ministério Público Estadual (MPE) abriu inquérito para investigar possíveis irregularidades no contrato firmado entre o governo do Estado e a empresa Marmeleiro Auto Posto Ltda. A portaria assinada pelo promotor Roberto Turin foi publicada no dia 25 de julho.

Alegando que não teve tempo suficiente para realizar o procedimento licitatório legal, o governo do Estado resolveu contratar emergencialmente, com dispensa de licitação, a empresa Marmeleiro para fornecer combustíveis (gasolina comum; diesel comum e S10; etanol comum e gás veicular), para o abastecimento da frota de veículos dos órgãos do Poder Executivo estadual.
Ao determinar a abertura do inquérito, o promotor Roberto Turin aponta que a gestão do governador Pedro Taques teve 12 meses para realizar o devido procedimento licitatório, pois tinha conhecimento que o contrato estava para terminar. Além disso, já estava em tramitação o Pregão Eletrônico nº 030/2015/SEGES, justamente para a contratação de empresa especializada no fornecimento de combustíveis.
Acontece que, como o deputado Zeca Viana apontou na denúncia, as demais empresas habilitadas a participarem da licitação foram desclassificadas sumariamente.
“Inexplicavelmente o Governo do Estado suspendeu o processo licitatório 030/2015 e contratou, estranhamente, a empresa MARMELEIRO AUTO POSTO LTDA (antiga prestadora dos serviços, contrato nº 034/2014), com dispensa de licitação”, argumentou o deputado na representação enviada ao MPE.
“[fusion_builder_container hundred_percent=”yes” overflow=”visible”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none”][…] Quer seja porque resta desprovido de base legal, quer seja porque a Administração teve 12 meses para realização de procedimento licitatório, não houve emergência configurada, pois a própria Administração Pública deu causa ao ocorrido”, concluiu o deputado.
O promotor Roberto Turin determinou que a Secretaria Estadual de Gestão (Seges) seja oficiada para encaminhar cópia do contrato nº 031, incluindo o Processo Administrativo nº 672826/2015 e o parecer jurídico nº 108/2015, ademais, nota de empenho, liquidação e recebimento.
Além disso, o secretário terá que explicar o porquê do referido contrato ter sido firmado com o prazo de 180 dias, levando em conta que havia um processo licitatório pendente destinado à contratação de forma legal.
O promotor pediu ainda cópia digitalizada do Pregão Eletrônico nº 030/2015, juntamente com os documentos pertinentes, e requisitou que justifiquem os motivos que levaram a Administração Pública a optar pela suspensão do certame, mesmo com parecer favorável do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).
“Uma gestão transparente e um Estado de transformação não pode simplesmente ignorar as disposições da lei e tampouco utilizar-se da própria lei para satisfação de interesses que não seja o bem comum de todos”, reforçou o deputado Zeca Viana na mesma denúncia, ressaltando sua confiança no Ministério Público para proceder com as investigações e garantir a manutenção dos princípios republicanos.

[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

premium

Ler Anterior

Delegado Rogério Modelli assume Diretoria Geral da Polícia Civil de Mato Grosso

Leia em seguida

Protesto de CDA é possível em casos anteriores à alteração da legislação de 2012

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *