• 27 de fevereiro de 2021

Advogados podem protocolar por meio dos correios

06/04/2015 – Para garantir maior economia de tempo e de recursos dos jurisdicionados, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) implantou uma solução alternativa ao Portal Eletrônico do Advogado (PEA). Trata-se do Serviço de Protocolo Postal (SPP).

Conforme explica a coordenadora administrativa do TJMT, Marluce Peixoto de Assis, depois da publicação da Resolução nº 25/2014, que extinguiu o protocolo integrado dos fóruns e instituiu o protocolo postal, os advogados e partes que antes tinham que ir até o fórum da comarca para protocolar as petições e documentos agora podem fazer em qualquer lugar do país, através das agências dos Correios.

“Os correios estão presentes em todos os municípios brasileiros. E, além disso, nem sempre a conexão à internet é estável. Por isso, acreditamos que a nova ferramenta vai ampliar o acesso à justiça e trazer mais celeridade”, ressalta Marluce.

O protocolo postal também vai aumentar o horário de atendimento aos jurisdicionados. Antes, o funcionamento seguia o horário das comarcas, das 12h às 19h. Agora, o protocolo postal vai seguir os horários dos correios, que é das oito da manhã às 17 horas.

Outro ponto destacado por Marluce é que a novidade também traz economia aos cofres públicos. “O Poder Judiciário não precisa destinar um servidor e mão-de-obra específica para realizar o serviço. Ao terceirizar o protocolo, economizamos recursos financeiros e humano da instituição”, diz.

COMO FAZER

As petições deverão ser protocolizadas nas agências dos correios de segunda à sexta-feira, das 8h da manhã às 17h (horário variável, dependendo dos correios). Feito o protocolo, o advogado já sai com um recibo comprovando a postagem e garantindo o prazo processual.

Apesar da facilidade, é preciso lembrar que nem tudo pode ser peticionado no formato postal. Conforme a Resolução nº 25/2014/DTP, há seis tipos de petições que não podem ser protocoladas. Clique aqui para ver quais são.POR TJMT

premium

Ler Anterior

TJMT sai na frente com trabalho consolidado

Leia em seguida

MPF denuncia juiz do caso Eike por peculato e falsidade ideológica

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *