A OAB de Mato Grosso é um “elefante branco”, diz Pio

20/02/2015 -Figura carimbada nas eleições da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT), o advogado oposicionista Pio da Silva criticou, em entrevista ao MidiaJur, a política utilizada pela atual gestão para gerir os recursos da entidade.

Segundo o advogado, que reafirmou ser candidato às eleições classistas previstas para novembro deste ano, os recursos destinados à Ordem são centralizados de maneira excessiva, o que tornaria a OAB-MT “um grande elefante branco”.

“Para onde vai o dinheiro da OAB? De 8, 10 mil advogados que estão adimplentes com a instituição? Para as 29 subseções, eles mandam R$ 1 mil, R$ 2 mil, R$ 3 mil. Onde está aplicado este dinheiro da anuidade de R$ 500, R$ 600, R$ 700 dos advogados e de R$ 300 dos estagiários?”, questionou.

Além de defender a isenção da anuidade dos dois primeiros anos de atuação dos advogados, Pio da Silva acredita que as verbas destinadas às subseções devem ser rediscutidas. “Onde está aplicado este dinheiro da anuidade de R$ 500, R$ 600, R$ 700 dos advogados e de R$ 300 dos estagiários?”

“A subseção de Várzea Grande tem 500 advogados e recebe R$ 3 mil por mês. Se lá tem 500 advogados, 50% de tudo que a subseção arrecadar deveria ir para a própria subseção”, entende o advogado.

Pio da Silva também criticou a suposta falta de isenção e de combate que a OAB-MT teria ao lidar com os interesses da classe de advogados e da própria sociedade.

Para o advogado, essa alegada omissão seria motivada por interesses políticos dos membros da atual gestão e de advogados que possuem influência no âmbito da OAB-MT.

“A nossa entidade jamais enfrenta o Tribunal de Justiça, jamais enfrenta o Governo do Estado. Olha os escândalos sobre a Copa do Mundo. Como vão bater de frente com o Silval Barbosa, do PMDB, se o Francisco Faiad [ex-presidente da OAB-MT], que era secretário de Estado de Administração, é do PMDB?”, ressaltou.

“Como vão bater de frente com o Silval Barbosa, do PMDB, se o Francisco Faiad [ex-presidente da OAB-MT], que era secretário de Estado de Administração, é do PMDB?” O fato de ex-dirigentes da OAB-MT integrarem o Pleno do Tribunal de Justiça também é visto por Pio da Silva como um dos motivos para a Ordem preferir não “bater de frente” com o tribunal.

“No Tribunal de Justiça estão os ex-presidentes Rubens de Oliveira e Maria Helena Póvoas, além do ex-presidente do Tribunal de Ética, Luiz Ferreira, todos eles deste mesmo grupo. Diálogo tem que existir, mas se não houver diálogo, tem que partir juridicamente. Acontecem tantas coisas que ferem as prerrogativas dos advogados. Nós podemos cobrar e exigir tanto do Tribunal de Justiça e não é feito.
Não há enfrentamento jurídico”, lamentou.

Campanha

Pio da Silva relatou que já está em campanha e que pretende visitar todas as 29 subseções antes da data da eleição

“Estamos fazendo reuniões constantemente . Já estive em Barra do Garças e Rondonópolis nesta semana e, a partir de abril, vou começar a rodar o Estado”, disse.

Ele afirmou que, além do grupo que o apoiou nas eleições de 2012, já conseguiu apoiadores tanto do grupo da situação quanto do grupo de oposição.

“Há várias pessoas da eleição passada, do grupo do José Moreno [ex-candidato], que estão comigo. Da situação existem pessoas que ajudaram muito a atual gestão e agora estão comigo. Eu vou registrar a chapa e lutarei pela vitória”, adiantou.

O advogado admite que não abre mão de encabeçar a chapa à presidência e se considera o nome mais preparado para comandar a seccional.

“As pessoas me respeitam, sabem que Pio da Silva não caiu na advocacia de paraquedas. Eu tenho quase 20 anos de profissão. Temos 18 mil advogados em Mato Grosso e menos de 100 tem doutorado, eu sou um deles. Tenho um escritório com mais de 10 profissionais em todas as áreas do Direito, sou um advogado bem sucedido. Criei respeito entre todos os juízes e desembargadores que me conhecem. Me preparei para isso, tenho todos os requisitos para administrar a entidade e não tenho a menor dúvida de que serei presidente da OAB”, enfatizou.

“Eu sou uma pessoa que tem humildade, simplicidade e competência para gerir a entidade. Eu posso contribuir muito com a minha classe. O que o Pedro Taques está fazendo com o Estado alguém “Me preparei para isso, tenho todos os requisitos para administrar a entidade e não tenho a menor dúvida de que serei presidente da OAB” precisa fazer com a OAB. Não é me gabando, mas poucas pessoas têm esse requisito para esse enfrentamento e as pessoas sabem disso”.

Análise da campanha

Pio da Silva acredita que o advogado mais cotado para a candidatura pelo grupo da situação é o presidente da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA-MT), Leonardo Pio da Silva Campos, o “Léo Capataz”.

A provável escolha de Léo Capataz, segundo Pio, se deve a uma alegada promessa feita pelo grupo que administra a seccional.

“O número 1 da OAB de Mato Grosso chama-se Francisco Anis Faiad, o segundo é o conselheiro federal Cláudio Stábile e o terceiro é o presidente Maurício Aude. O candidato deles é o Leo Capataz. Eles não largam o Léo, é uma promessa deles com ele”, comentou.

Já no grupo oposicionista, o advogado tem dúvidas se algum dos possíveis candidatos conseguirá montar chapa.

“Do grupo da oposição, só posso dizer que o meu grupo será registrado. Não é tipo o Felipe de Oliveira, a Luciana Serafim. A própria Luciana, que estava há anos na entidade, não conseguiu montar uma chapa. O Eduardo Mahon quer ser candidato a qualquer preço, o Moreno eu não sei. O Mahon tem muita rejeição, e isso é de conhecimento de toda a classe, então é complicado”, afirmou.

POR MIDIAJUR

premium

Ler Anterior

OABLucas solicita membros para compor Conselho de Segurança

Leia em seguida

“A raiz da corrupção” ; por Marcus Vinicius Furtado Coêlho

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *