29/08/2015 – Cinco juízes são titularizados

Depois de dois anos e meio atuando como juízes substitutos em comarcas do interior do estado, cinco magistrados do concurso de 2012 receberam, na tarde desta sexta-feira (28 de agosto), a titularidade de comarcas que escolheram para atuar.

 

A partir de 4 de setembro, Luciana Braga Simão Tomazetti assumirá a titularidade da Comarca de Dom Aquino (166km ao sul de Cuiabá), Antonio Carlos Pereira de Souza Júnior responderá pela Comarca de São José dos Quatro Marcos (315km a oeste), Kátia Rodrigues Oliveira atuará como titular da Comarca de Poconé (104km ao sul), Maurício Alexandre Ribeiro assumirá a Comarca de Sapezal (480km a noroeste) e Jean Louis Maia Dias será o responsável pela Comarca de Itiquira (357 km ao sul).

 

O ato de titularização foi realizado pelo presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Paulo da Cunha, que pediu aos colegas muito empenho e dedicação à profissão. “Se queremos uma instituição sólida e respeitosa, temos que pensar na coletividade. Abrir mão da individualidade não é fácil, mas é preciso. Temos que pensar na instituição, que é permanente, e não em nós mesmos, que somos passageiros. Temos que fazer com que a instituição seja cada vez mais respeitada. As nossas decisões e até o nosso modo de viver particular reflete na instituição”, aconselha.

 

Até fevereiro, esses cinco juízes cumpriam período probatório e, a partir de março, já atingiram os dois anos necessários para a vitaliciedade. Agora, com a titularidade, eles passam também a ter a garantia constitucional da inamovibilidade, ou seja, de não serem transferidos de comarca, salvo por relevante interesse público ou por meio de concurso de promoção para comarcas de Segunda Entrância pelas quais manifestarem interesse.

 

O juiz Antonio Carlos, que falou em nome do grupo, revelou o que representa essa nova fase na carreira. “Significa a realização de um sonho para mim e para toda a minha família. A emoção é indescritível! Não há como não ficar com aquele frio na barriga, que é o mesmo que tive desde quando soube da aprovação no concurso da magistratura”, conta o novo juiz titular, bastante emocionado.

 

Ele compara a alegria da titularização com aquela vivida na aprovação no concurso. “A emoção do concurso público é aquela expectativa de como vai ser. Agora, depois de dois anos e meio na magistratura, você já tem uma ideia do que acontece e, neste momento, a gente tem a segurança de poder ficar na comarca que a gente escolheu. Quando a gente escolhe a comarca, a gente está no lugar que a gente gosta, então o trabalho é devolvido com mais felicidade ainda”, descreve.

 

O novo juiz titular conta que decidiu por Quatro Marcos porque já está lá desde a sua posse na carreira, em março de 2013. Além disso, ele diz que há outros motivos que levou em consideração na escolha. “Decidi permanecer lá por gostar muito dos servidores, da população que me acolheu muito bem, dos advogados que lá militam. Apesar de ser uma comarca bem movimentada e com muitos processos, escolhi continuar minha batalha lá”, explica.

 

Luciana Tomazetti conta como foi a experiência de atuar como juíza substituta por dois anos e meio. “Foi uma experiência incrível, pois tive a oportunidade de atuar em três comarcas diferentes e conhecer bastante a realidade do interior”, frisa. Ela conta que teve um motivo especial para escolher Dom Aquino. “Escolhi pela proximidade com a minha família, que está em Primavera do Leste”, explica. Ela também expressa a satisfação de conquistar a titularização. “É uma emoção muito grande ter o apoio do Tribunal neste momento, este reconhecimento”, comemora.

 

O juiz auxiliar da Presidência Aristeu Dias Batista Vilella também explicou o quão significativo é a titularização para um juiz. “Esse é um fato muito importante para o juiz, ele se sente honrado e também reconhecido pelo Judiciário. Eles vão continuar exercendo as atividades que já fazem e a titularização é apenas uma das muitas ascensões da carreira, que respeitam dois critérios, por merecimento e por antiguidade. A titularização também faz parte do crescimento, da formação deles, e do currículo, que é importante”, destaca.

 

O desembargador presidente afirmou ainda ser uma satisfação titularizar mais cinco magistrados do penúltimo concurso. “Para a vida funcional deles isso representa muito, pois podem gerir a própria comarca, da qual eles deixam de ser substitutos e passam a ser o gestores. E para o Poder Judiciário isso também é uma grande satisfação”.Fotos: André Romeu- Por  TJMT

premium

Ler Anterior

29/08/2015 – Contas da OABMT de 2014 foram aprovadas por Conselho Seccional

Leia em seguida

29/08/2015- Juvam apreende animais silvestres abatidos ilegalmente

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *