28/03/2016 – Corrupção em MT é prioridade diz Superintendente Regional da PF

O superintendente da PF no Estado, delegado Áderson Vieira Leite, afirmou que a instituição tem concentrado todos os esforços para combater “crimes de colarinho branco” em Mato Grosso.

Vieira era chefe da Divisão de Repressão a Crimes Financeiros e à Lavagem de Dinheiro da Polícia Federal em Brasília.

Lá, ele inclusive deu apoio às investigações da Lava Jato, coordenada pela PF do Paraná.

“Quando cheguei aqui, disse que não ia inventar a roda, e sim seguir o normativo do órgão. Por isso, nesse primeiro momento, estamos focados em combater a corrupção”, afirmou.

Somente em Cuiabá, conforme o chefe da PF, há 1,5 mil inquéritos em andamento. Para não quebrar o sigilo das investigações, Vieira disse que não pode revelar o teor das ações.

Entretanto, adiantou que existem agentes debruçados sobre documentos da operação Ararath, o que dá a entender que, em breve, pode ser deflagrada uma nova fase da ação, que investiga crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro dentro da Assembleia Legislativa e Governo do Estado.

“A Operação Ararath é muito extensa. Eu acompanhei o nascimento dela em 2008. Até agora, a ação desvendou, digamos, apenas uma parte dessa estrutura criminosa. Portanto, ainda existem outras frentes a serem exploradas”, declarou.

Nesta semana, o chefe da PF conversou com o MidiaNews por cerca de 40 minutos na sede da superintendência, na Avenida Historiador Rubens de Mendonça (Av. do CPA). E, ao ser questionado sobre a existência de pressões políticas na instituição e até casos de suborno, Vieira garantiu que a PF atua com independência e que os agentes têm um nível de profissionalismo elevado.

O delegado fez ainda uma análise da Operação Lava Jato e a consequência dela na política brasileira.

POR THAIZA ASSUNÇÃO
DO MIDIANEWS

premium

Ler Anterior

> Sinop realiza seminário sobre novo CPC

Leia em seguida

28/03/2016 – PL torna crime de responsabilidade dos ministros do STF a usurpação de competência do Legislativo

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *