25/03/2016 – REFORMA ELEITORAL: Partidos com mais de nove deputados devem ser convidados para debates

Os partidos políticos que possuem mais de nove deputados federais devem ser obrigatoriamente convidados a participar de debates eleitorais, de acordo com o artigo 46 da Lei das Eleições. A medida foi confirmada pelos ministros do Tribunal Superior Eleitoral em sessão administrativa.

O Plenário entendeu também que, no caso de uma chapa majoritária, em que o titular e o vice são de partidos diferentes e coligados, vale a soma dos deputados federais eleitos por cada uma das legendas para contabilizar o número mínimo de nove deputados.

A exigência de participação nos debates veio com a nova redação dada ao artigo 46 pela Reforma Eleitoral de 2015 (Lei 13.165). Dessa forma, o tribunal respondeu à consulta feita pelo diretório nacional do Partido Humanista da Solidariedade (PHS).

Sem exclusões absolutas
O TSE também respondeu, nos mesmos termos, a uma outra consulta sobre o assunto, apresentada pelo deputado federal Sarney Filho (PV-MA). Porém, no caso, o Plenário considerou prejudicada a terceira pergunta feita pelo parlamentar.

Ao apresentar seus votos-vista nas consultas, o presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, enfatizou que o artigo 46 da Lei das Eleições “não promove a absoluta exclusão das legendas minoritárias dos debates eleitorais”.

O ministro destacou que “os órgãos e os meios de comunicação poderão convidar todos os candidatos, independentemente do número de parlamentares que tenha [fusion_builder_container hundred_percent=”yes” overflow=”visible”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none”][o partido]. Essa discriminação é apenas para a obrigatoriedade do convite”.

No caso de chapa majoritária, em que o titular e o vice são de partidos coligados, Toffoli disse que, “sendo a chapa unitária, não há como excluir a soma [dos números de deputados federais eleitos pelos partidos] do candidato a prefeito e do candidato a vice”. Isso porque, lembrou o ministro, dispositivo da Lei das Eleições estabelece que as coligações têm obrigações e prerrogativas próprias de um partido político com relação ao processo eleitoral. Com informações da Assessoria de Imprensa do TSE. [/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

premium

Ler Anterior

25/03/2016 – GRAU MÁXIMO: Gari tem direito a insalubridade por ter contato direto com lixo orgânico

Leia em seguida

Falta ao Brasil posição jurídica sobre o uso de novas tecnologias e serviços

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *