• 21 de abril de 2021

23/06/2015 – Supremo concede liberdade ao ex-deputado José Riva

O Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu, há pouco, liberdade ao ex-deputado estadual José Riva (PSD), que está preso, desdo o dia 21 de fevereiro, no Centro de Ressocialização de Cuiabá.

Riva foi detido em sua residência por agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), quando foi deflagrada a “Operação Imperador”.

A decisão foi proferida pela 2ª Turma do STF, composta pelos ministros Teori Zavascki (relator do caso), Gilmar Mendes, Carmem Lúcia e Dias Toffoli.

“Sempre dissemos, desde o primeiro dia, que a prisão não se justificava. Então, vemos essa decisão com satisfação e com a confiança no Poder Judiciário renovada”

O advogado de defesa do ex-deputado, Rodrigo Mudrovistch, afirmou que a decisão do STF é vista pela defesa como “sinônimo de Justiça”.

“Sempre dissemos, desde o primeiro dia, que a prisão não se justificava. Então, vemos essa decisão com satisfação e com a confiança no Poder Judiciário renovada”, afirmou.

“O Poder Judiciário, pela sua mais alta Corte, fez Justiça e hoje e reconheceu o absurdo que era essa prisão do ex-deputado Riva”, completou.

Ainda de acordo com ele, a previsão é de que o ex-deputado seja liberado nas próximas horas.

“A decisão do Supremo é de soltura incondicional. O Supremo determinou a soltura dele. Então, não há mais óbice nenhum, agora basta que se comunique à Juíza de primeiro grau e ao diretor do presídio para que se realize essa liberação”,  afirmou o advogado.

Histórico da prisão:14 pedidos negados

Desde a prisão, foram ingressadas 15 medidas judiciais para tentar reverter a medida, entre pedidos de revogação, habeas corpus e recursos.

O primeiro Habeas Corpus foi ingressado junto ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Em caráter liminar, o desembargador Rondon Bassil negou o pedido.

Em seguida, os advogados Valber Melo e Rodrigo Mudrovitsch ingressaram no Superior Tribunal de Justiça (STJ) com novo HC.

A tentativa foi barrada pela ministra Maria Thereza Moura, ainda em fevereiro, que preferiu aguardar o julgamento do mérito do Habeas Corpus que tramitava no TJ-MT.

Em março, a 6ª Turma do STJ teve o mesmo entendimento e manteve José Riva na prisão. No dia 17 daquele mês, a 1ª Câmara do TJ-MT optou por não conceder a liberdade ao ex-presidente da Assembleia Legislativa.

A defesa entrou com a 5ª tentativa junto ao STJ sob a alegação de que a prisão teria sido ilegal em razão de o conselheiro do TCE-MT, Sérgio Ricardo, não ter sido denunciado pelo Ministério Público de forma proposital para que o caso não fosse remetido às instâncias superiores.

A tese foi descartada pelo ministro Humberto Martins, que negou a reclamação e, consequentemente, manteve Riva na cadeia. Em maio, a reclamação que acusava possível manipulação do MPE foi negada, no mérito, pela 6ª Turma do STJ.

O mesmo ocorreu com outro Habeas Corpus ingressado pelo STJ, negado pela ministra Maria Thereza Moura. Após a negativa, a defesa pediu a reconsideração da decisão, que foi igualmente negada pela magistrada.

No final de maio, o procurador aposentado Álvaro Marçal Mendonça – por motivos não muito claros – também resolveu atuar em defesa de José Riva, mesmo sem autorização do mesmo.

O procurador ingressou com um Habeas Corpus no STJ, cuja pretensão foi negada pelo desembargador convocada Edson Marinho.

A 10ª tentativa ocorreu junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), cujo Habeas Corpus foi distribuído ao ministro Teori Zavascki.

Antes mesmo da decisão, a distribuição causou polêmica, uma vez que a defesa entendeu que o ministro Dias Toffoli – relator do inquérito da Ararath – eram quem tinha a competência para julgar o caso.

Em razão disso, a defesa recorreu para que o Habeas Corpus fosse parar nas mãos de Dias Toffoli, mas não obteve sucesso.

No dia 29 de maio, outra derrota: o ministro Teori Zavascki negou seguimento ao HC, por entender que não cabia ao STF julgar o caso, e sim ao STJ.

Em junho, a 6ª Turma do STJ negou o mérito do Habeas Corpus que visava a liberdade de José Riva e manteve a prisão em uma decisão apertada, por 3 votos a 2. Um novo Habeas Corpus foi ingressado logo depois e novamente negado pela ministra Maria Thereza Moura, no dia 19, fato que manteve Riva enclausurado no Centro de Ressocialização da Capital.

Na mesma data, a juíza titular da ação penal, Selma Arruda, manteve a prisão preventiva do político, decretada por ela própria, resultando na 14ª derrota judicial de José Riva após a prisão.Com informações Midianews

premium

Ler Anterior

23/06/2015 – Redução da maioridade ampliaria exclusão social, diz ministro Kukina

Leia em seguida

TRT de Mato Grosso dá posse à juíza Helaine Cristina de Queiroz

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *