• 18 de setembro de 2021

11/12/2015 – Pesquisa da AMB revela tendência punitivista dos juízes brasileiros

Pesquisa divulgada nesta quarta-feira (9) pela Associação dos Magistrados Brasileiros revelou uma tendência punitivista dos juízes.

Segundo o levantamento, 69,5% dos entrevistados são favoráveis à elevação do limite máximo do cumprimento de pena privativa de liberdade, 71,7% concordam com o aumento da punição mínima para delitos de tráfico de drogas, e 94,8% defendem penas mais severas para agentes políticos em casos de corrupção e improbidade. Ao mesmo tempo, 61,7% avaliam positivamente a ampliação da aplicação de penas alternativas.

Os dados apontam ainda que 85,1% dos magistrados opinaram pelo aumento do tempo de internação de adolescentes infratores e 80% pelo aumento das hipóteses de internação. Já a diminuição da maioridade penal é vista favoravelmente por 48,1% dos que participaram da pesquisa que traçou o perfil dos magistrados brasileiros. A maior parte (74,6%) dos entrevistados atua no primeiro grau.

Na avaliação do presidente da entidade, João Ricardo Costa, a aposta no recrudescimento das penas é equivocada. Ele defende a reformulação do sistema processual brasileiro para acelerar a tramitação dos processos e reduzir a morosidade da Justiça. “Não adianta penas altas que jamais serão executadas, porque os processos não terminam.”

Conforme a pesquisa, a maioria dos juízes defende a redução das possibilidades de recursos aos tribunais superiores e o estabelecimento de um prazo máximo para pedido de vista em qualquer órgão colegiado. Para 68,3%, as execuções fiscais deveriam ser excluídas da esfera judicial, remetendo-as às vias administrativas.

A instituição mais bem avaliada pelos magistrados foi a Polícia Federal, com 7,5 de nota — numa escala de 0 a 10. O Ministério Público Federal aparece em segundo lugar (7,2), seguido pelo MP estadual (6,7) e o do Trabalho (6,4). O governo federal e o Congresso receberam as piores notas (2,8 cada um). por Marcelo Galli – Conjur

premium

Ler Anterior

10/12/2015 – Aprovada PEC que abre janela para troca de partidos

Leia em seguida

12/12/2015 – TJ/SP mantém lei sobre comunicação prévia de negativação com aviso de recebimento

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *