• 18 de abril de 2021

10/09/2015 – TJMT adere à campanha “Corrupção Não!”

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso aderiu à campanha internacional “Corrupção Não!”, realizada pelo Ministério Público Federal em parceira com a Associação Ibero-Americana dos Ministérios Públicos (Aiamp). A ação tem como objetivo ampliar o debate sobre o combate à corrupção e impunidade.

 

A campanha é realizada simultaneamente em 21 países, buscando mobilizar o maior número de pessoas possível em torno desta ideia. Segundo a procuradora-chefe substituta da Procuradoria da República em Mato Grosso, Vanessa Scarmagnani, a campanha se destina a fomentar na sociedade o combate à corrupção, “evidenciando que a atitude de cada cidadão faz muita diferença e impacta toda a coletividade, podendo pulverizar em todo o país um sentimento de repulsa aos desvios e ilícitos”, ressaltou.

 

No site corrupcaonao.mpf.mp.br é possível ter acesso a mais informações sobre a campanha e algumas condutas que podem ser adotadas pelo cidadão como forma de aderir à iniciativa, como dizer não aos pequenos gestos corruptos, como furar fila, comprar produtos piratas, bater o ponto do colega de trabalho ou tentar subornar um guarda para não levar multa.

 

NÚMEROS – Atualmente, 12 dos países que participam da campanha têm níveis elevados de corrupção na avaliação da Transparência Internacional – organização não governamental focada no combate mundial à corrupção. Os demais estão na classificação “mediana”. Nenhum destes países figura no ranking como um país com baixos índices de corrupção.

 

A pesquisa da Transparência Internacional é baseada na opinião de especialistas sobre a percepção da existência de corrupção no setor público de 177 países. O último estudo – referente ao ano de 2014 – varia de zero (menos de corrupto) a 100 (mais corrupto). Por  TJMT

premium

Ler Anterior

09/07/2015 – CPI da Petrobras quer saber origem de dinheiro que paga honorários de advogada

Leia em seguida

10/07/2015 – PGR questiona lei que prevê autorização do TJ-MG para investigar juiz

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *