03/07/2015- Advogado foragido não teria recebido sua parte em esquema

O advogado Júlio César Domingues Rodrigues, que teve a prisão decretada na Operação Ventríloquo, mas encontra-se foragido, foi quem comunicou ao HSBC que o também advogado Joaquim Fábio Mielli Camargo recebera mais de R$ 9 milhões da Assembleia Legislativa, em nome do banco.

Segundo apurou a reportagem, Rodrigues teria participado do suposto esquema, e resolveu comunicar a transação ao HSBC porque não teria recebido sua parte, conforme combinado.

Inicialmente, ele ligou à diretoria do HSBC, em São Paulo, e tentou agendar uma visita para tratar do assunto.

“Foi verificada a inexistência de qualquer notícia do acordo nos autos, conforme certidão obtida junto a segunda Vara Especializada da Fazenda Pública”

Como o banco se recusou a recebê-lo, ele enviou vários emails dando detalhes do acordo feito entre Joaquim Fábio Mielli Camargo e a Mesa Diretora da Assembleia, sobre os pagamentos, em três parcelas, que totalizaram R$ 9.032.513,82.

Ao departamento jurídico do HSBC, Júlio César Domingues Rodrigues encaminhou, também, uma cópia de recibo parcial, referente a uma das parcelas recebidas por Joaquim Fábio Mielli Camargo.

Segundo a investigação do Gaeco, Júlio César Domingues Rodrigues teria começado a engendrar o esquema com o então deputado José Riva (PSD), em 2012.

Pelo combinado, os R$ 9 milhões seriam divididos em duas partes: uma para o advogado Mielli Camargo, e outra para Riva, que indicaria várias contas para depósito.

Negativa

Os advogados Fábio e Paulo Lessa, contratados pelo HSBC, relataram, em notícia crime encaminhada ao procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Paulo Prado, que, após isso, em averiguações internas, o HSBC consultou os autos da execução em Brasília e no Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

“Foi verificada a inexistência de qualquer notícia do acordo nos autos, conforme certidão obtida junto a segunda Vara Especializada da Fazenda Pública, atestando que não existem petições pendentes a serem juntadas na ação n.31002/97, e que tampouco existem petições pendentes a serem juntadas nos autos do Recurso Especial nº 1340975/MT”, afirmaram.

No dia 22 de outubro, o HSBC solicitou ao advogado Joaquim Fábio Mielli Camargo informações sobre o andamento do referido processo, para confirmar a veracidade das informações a respeito da existência de um acordo em relação ao objeto destes autos.

Mesmo já tendo recebido os R$ 9.032.513,82 (em parcelas pagas em fevereiro, março e abril de 2014), o advogado mandou a seguinte resposta ao HSBC: “Com relação ao mencionado caso, informo que processo foi concluso ao Ministro Relator, no STJ, na data de 27/11/2013, para julgamento dos Recurso interpostos pela Assembleia Legislativa e também pelo Estado de Mato Grosso. O julgamento não entrou em pauta até a presente data. Informo ainda que anteriormente, por diversas vezes, tentamos acordo neste processo, porém, sem sucesso.”

Após comprovado o recebimento do valor milionário, Mielli Camargo aceitou fazer delação premiada ao Ministério Público Estadual (MPE) e revelar detalhes do suposto esquema. Por LUCAS RODRIGUES

premium

Ler Anterior

03/07/2015 – Juiz recebe ação contra Wilson Santos e mais três

Leia em seguida

03/07/2015 – Prova ilícita e sentença sem fundamento fazem juiz anular arbitragem

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *